Um lado positivo da pandemia pode ser o distanciamento econômico da China

0

Sentimento amargo contra o regime comunista nas últimas semanas pode forçar conselhos corporativos a alterar cadeia de suprimentos em pouco tempo

A pandemia de COVID-19 terá sérias implicações no modo como as empresas pensam sobre a China. O sentimento amargo contra o regime comunista chinês que ocorreu nas últimas semanas pode forçar muitos conselhos corporativos a alterar toda a sua cadeia de suprimentos em pouco tempo.

Segundo Kyle Bass, gerente de fundos de hedge e fundador da Hayman Capital Management, haverá uma “dissociação forçada” da China, o que significa cortar os laços econômicos por razões nacionais e estratégicas.

“A miséria que a China trouxe para o resto do mundo com esse vírus está realmente iluminando as cadeias de suprimentos globais”, disse Bass em entrevista ao programa “American Thought Leaders” do Epoch Times.

Pense bem, temos democracias ocidentais que dependem quase inteiramente de uma cadeia de suprimentos em uma nação totalitária e comunista. É realmente louco quando você vê dessa maneira”.

Se houver um lado positivo para essa pandemia, diz Bass, será a aceleração da dissociação.

De acordo com uma pesquisa realizada em março pela Câmara de Comércio e pela consultoria americana PwC, uma em cada cinco grandes empresas americanas que operam na China relata que o coronavírus acelerará o processo de dissociação. Agora eles indicam maior potencial de dissociação econômica entre os dois países em comparação com uma pesquisa semelhante em 2019.

No entanto, mais de 40% dos entrevistados ainda acreditam que seria impossível cortar os laços econômicos com a China.

Bass criticou as empresas americanas por fechar os olhos aos abusos dos direitos humanos na China.

“Você pode imaginar se explicar a alguém que está negociando com um regime que tem mais de um milhão de prisioneiros de consciência trancados e que se realiza diariamente a remoção de órgãos vivos dessa população de presos políticos? E, no entanto, pessoas como Blackstone não podem esperar para investir mais dinheiro na China. Pessoas como Sheldon Adelson não podem esperar para abrir outro cassino em Macau”, disse Bass.

“Porque eles simplesmente deixaram o dinheiro cegá-los aos flagrantes abusos dos direitos humanos de talvez um dos regimes mais tirânicos que já existiram. É uma loucura”.

Responsabilizando a China

A opinião pública nos Estados Unidos mudou significativamente contra o regime chinês nas últimas semanas, pois a maioria das pessoas culpa o PCC por encobrir a origem do vírus e reter informações sobre a extensão do surto na cidade chinesa de Wuhan.

De acordo com uma pesquisa da Harris Poll realizada entre 14 de março e 5 de abril, 72% dos americanos culpam o governo chinês por relatar incorretamente o impacto do vírus na China.

Outra pesquisa do Pew Research Center em março descobriu que cerca de dois terços dos americanos agora têm uma visão desfavorável da China.

Um número crescente de legisladores nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Canadá começou a falar sobre “reparações e fazer com que o governo chinês pague por suas ações malignas”, disse Bass.

Ele observou que grupos de reflexão e professores de direito já levantaram a ideia da responsabilidade jurídica e financeira da China pelo surto.

“Há muitas coisas que o governo pode fazer aqui para fazer a China pagar por suas ações”, disse Bass.

Ele sugeriu que o governo dos Estados Unidos pudesse ir atrás de empresas estatais chinesas e assumir seus ativos internacionais, como propriedades nos Estados Unidos e ações emitidas nos mercados financeiros ocidentais. Os Estados Unidos podem até amortizar seus trilhões de dólares em títulos do Tesouro dos EUA detidos pela China, disse ele.

A China tinha dívida de US$ 1,09 trilhão em fevereiro, de acordo com o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. A China é o segundo maior credor estrangeiro dos Estados Unidos, depois do Japão, com US$ 1,26 trilhão.

“O que podemos fazer é usar a base fundamental de nossos países, o Estado de direito, e podemos exercer e fazer cumprir nossas leis sobre eles por seu desfalque”, disse Bass. “É assim que nivelamos o campo de jogo contra um ator tão tirânico e mentiroso”.

Japão oferece dinheiro para desacoplar

O governo japonês anunciou recentemente que apoiaria empresas domésticas que tiram a produção da China. O primeiro-ministro Shinzo Abe está reservando cerca de US$ 2,25 bilhões do pacote de estímulo para ajudar as empresas japonesas a desacoplar suas cadeias de suprimentos da China, especialmente as de manufatura de alto valor agregado.

Bass acredita que o governo dos Estados Unidos deve fazer o mesmo.

É um “imperativo moral” que o governo dos Estados Unidos reserve capital para ajudar as empresas americanas a deixar a China, disse ele.

O governo Trump está preparando uma ordem executiva que ajudaria a realocar as cadeias de suprimentos médicos do exterior para os Estados Unidos, quando o surto expôs um nível perigoso de dependência da China.

Bass disse que a pandemia forçou o governo dos Estados Unidos a rever a dependência excessiva dos EUA em medicamentos e equipamentos médicos em relação à China.

Muitos acreditam que o domínio global de Pequim na fabricação de medicamentos e equipamentos médicos representa uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos e de outras nações.

No entanto, as empresas americanas podem enfrentar desafios ao afastar a produção da China.

Nos últimos anos, as empresas que operam na China foram impedidas de transferir seus lucros para fora do país e, nas últimas semanas, o regime chinês começou a exigir licenças para movimentar as cadeias de suprimentos, disse Bass.

“As empresas que fazem negócios na China, sejam Intel, Sony, BMW ou Chevron, não conseguem lucrar em dólares da China desde o quarto trimestre de 2016”, disse ele. “E agora eles nos dizem que talvez não consigam retirar suas cadeias de suprimentos”.

Saindo da China

A maioria das grandes empresas investiu pesadamente em instalações e recursos humanos na China para obter acesso ao mercado chinês e já “desistiu” de suas propriedades intelectuais como preço de entrada, diz Steve Abbott, consultor da Patina Solutions, consultoria da Cadeia de Suprimentos.

As empresas podem deixar a China “desde que acordos contratuais não proíbam a mudança de fontes de suprimento”, disse ele ao Epoch Times.

No entanto, a quebra de acordos contratuais em joint ventures, onde os contratos envolvem participação de capital, renda ou participação no capital, será um trabalho pesado para muitas empresas americanas, disse ele.

Abbott acredita que os governos podem apoiar a alocação de recursos para operações nacionais, fornecendo capital ou empréstimos de baixo custo para aumentar a capacidade nacional. Esses fundos também podem ser usados ​​para compensar as sanções potencialmente impostas pela China.

Sem esse tipo de suporte, as empresas “acharão muito difícil abandonar esses relacionamentos”, afirmou.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui