Trump: cancelar a dívida dos EUA com a China é um “jogo difícil”

0
O presidente dos EUA, Donald Trump, se reúne com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington (EUA).
O presidente dos EUA, Donald Trump, se reúne com o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no Salão Oval da Casa Branca, em Washington (EUA).

O presidente americano Donald Trump disse que a inadimplência é um “jogo difícil” em resposta a pedidos de alguns republicanos para que os Estados Unidos parem de pagar sua dívida com a China, em retaliação pelo inadequado manejo do surto do novo coronavírus.

Em 30 de abril, durante o evento “Protegendo os idosos da América” ​​na Casa Branca, Trump sugeriu que seu governo pudesse impor novas tarifas sobre produtos chineses, como forma de compensar as perdas nas quais os Estados Unidos sofreram devido a pandemia.

“Bem, eu posso fazer diferente. Eu posso fazer o mesmo (…) por mais dinheiro, simplesmente impondo tarifas”, afirmou.

Alguns republicanos, incluindo a senadora Lindsey Graham (R-S.C.), Propuseram que os Estados Unidos cancelassem trilhões de dólares em títulos do Tesouro dos EUA detidos pela China.

A China tinha cerca de US$ 1,09 trilhão em dívidas dos EUA em fevereiro, segundo o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. É o segundo maior credor estrangeiro nos EUA, depois do Japão, com US$ 1,26 trilhão.

“Você começa a jogar esses jogos e isso é difícil. Temos que proteger o dólar. Queremos proteger a santidade do dólar, a importância do dólar. É a maior moeda da história do mundo”, disse Trump.

“É por isso que estamos emprestando a zero, taxa de juros zero”, continuou ele.

“Nós podemos fazer isso com tarifas. Podemos fazer isso de outras maneiras, ainda mais, sem ter que jogar esse jogo. Esse é um jogo difícil.”

Economistas acreditam que o cancelamento da dívida prejudicaria a credibilidade do governo dos Estados Unidos. Tal medida reduziria o valor dos títulos do governo e aumentaria as taxas de juros, causando uma crise financeira global.

“Absolutamente não. Fé e crédito para a dívida americana são sacrossantos. E também é a confiabilidade da moeda como moeda de reserva mundial. Ponto final ”, disse o assessor econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, ao Politico em 30 de abril, quando questionado sobre a possibilidade de cancelar a dívida com a China.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, durante sua primeira conferência de imprensa oficial em 1º de maio, criticou o regime chinês por manejar mal o surto do vírus do PCC, também conhecido como novo coronavírus.

“Não gostamos das ações da China, mas certamente não vou me adiantar ao presidente com esses anúncios”, disse ela em resposta a uma pergunta sobre se o presidente estava considerando seriamente novas tarifas sobre a China.

“Não é segredo que a China manejou mal com a situação”, disse McEnany a repórteres.

Ela listou os esforços de encobrimento de Pequim, dizendo: “Eles não compartilharam a sequência genética até que um professor em Xangai fizesse isso por conta própria. No dia seguinte, a China fechou seu laboratório para “retificar”.

“Eles atrasaram as informações sobre a transmissão de pessoa para pessoa, juntamente com a Organização Mundial de Saúde (OMS), e não deixaram pesquisadores dos EUA entrar em um momento muito importante”, acrescentou.

Vírus de Wuhan

McEnany defendeu as alegações de Trump de que o vírus do PCC poderia ter se originado de um laboratório em Wuhan.

O Escritório do Diretor de Inteligência Nacional dos EUA afirmou em 30 de abril que ainda estava investigando “se o surto havia começado em decorrência do contato com animais infectados ou se foi o resultado de um acidente em um laboratório de Wuhan”.

“A Comunidade de Inteligência também concorda com o amplo consenso científico de que o vírus COVID-19 não foi produzido pelo homem nem geneticamente modificado”, afirmou o comunicado.

Em resposta, McEnany disse: “A declaração do Presidente é consistente com as outras avaliações de inteligência. Embora continuemos a ter dados muito limitados e duvidosos da China, as avaliações atuais indicaram que a declaração do presidente Trump é consistente com o que alguns analistas acreditam ser o epicentro de onde o vírus começou”.

Trump disse anteriormente que tinha um alto grau de certeza de que o Instituto de Virologia de Wuhan era o local de origem do vírus.

Quando perguntado por um jornalista o que lhe deu tanta confiança, Trump disse: “Não posso dizer isso. Não tenho permissão para lhe dizer isso. ”

“Parcialidade com a China”

Durante a conferência de imprensa, McEnany ecoou as críticas de Trump à Organização Mundial da Saúde (OMS).

“A OMS parece ter um viés muito claro com China”, ele disse. “Em 31 de dezembro, autoridades de Taiwan alertaram sobre a transmissão de pessoa para pessoa, a OMS não a tornou pública”.

“Em 9 de janeiro, a OMS repetiu a alegação da China de que o vírus “Não era facilmente transmitido entre as pessoas”. Isso aparentemente era falso. Em 14 de janeiro, a OMS repetiu novamente os argumentos da China sobre a transmissão de humano para humano”, continuou ele.

E em 29 de fevereiro, “quando o coronavírus estava se espalhando pelo mundo, eles escolheram colocar o politicamente correto em primeiro lugar ao se oporem às restrições de viagens [que salvam vidas]”.

Um número crescente de países intensificou os pedidos por maior transparência do regime chinês e por uma investigação sobre o tratamento do surto por Pequim. Dois estados nos Estados Unidos, Mississippi e Missouri, entraram com ações contra o regime, buscando responder pelos custos humanos e econômicos da pandemia nos americanos.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui