Trump anuncia sanções à China e encerra tratamento especial a Hong Kong

0

Regime comunista impôs recentemente uma lei de segurança nacional a Hong Kong

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta terça-feira (14), lei que impõe sanções às autoridades e entidades chinesas responsáveis ​​pela destruição das liberdades de Hong Kong, bem como aos bancos que negociam com elas.

Ele também assinou uma ordem executiva para encerrar o tratamento preferencial dos Estados Unidos a Hong Kong. Trump disse que as medidas foram adotadas para “responsabilizar a China por suas ações opressivas contra o povo de Hong Kong”.

Trump descreveu o controle rígido de Pequim sobre a cidade como “não uma boa situação”. O regime comunista impôs recentemente uma lei de segurança nacional a Hong Kong, que, segundo os críticos, marca o fim da autonomia da cidade.

“Eles tiraram sua liberdade, tiraram seus direitos. E com isso Hong Kong, na minha opinião, não será mais capaz de competir com o livre mercado”, disse Trump. “Eu suspeito que muitas pessoas vão deixar Hong Kong”. No início de julho, o Congresso votou por unanimidade a Lei de Autonomia de Hong Kong, que imporia sanções a uma ampla gama de indivíduos e entidades ligadas à subversão da autonomia da cidade pelo Partido Comunista Chinês.

Anuncio ocorreu em maio deste ano

Em maio, Trump anunciou que o governo iniciaria o processo de retirar Hong Kong de seus privilégios comerciais especiais com os Estados Unidos, considerando que a cidade não era mais autônoma o suficiente da China continental. Desde então, eles limitaram as exportações de equipamentos de defesa para a cidade, e ele disse que imporia restrições de visto a funcionários do Partido Comunista Chinês envolvidos na repressão às liberdades e direitos em Hong Kong, bem como a seus parentes.

A nova lei de segurança de Pequim colocou Hong Kong sob controle autoritário mais firme. A legislação impõe o máximo de prisão perpétua por atos considerados por Pequim como subversão, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras. O regime também estabeleceu um escritório de segurança nacional na cidade para supervisionar sua implementação.

Desde que a lei entrou em vigor, há duas semanas, os livros de alguns ativistas e políticos pró-democracia foram removidos das bibliotecas públicas; o slogan de protesto “Liberte Hong Kong, a revolução de nossos tempos” foi considerado ilegal; ativistas dissolveram suas organizações ou fugiram da cidade; e lojas removeram produtos e decorações com temas de protesto.

Postura severa contra regime comunista chinês

O anúncio de Trump é parte da postura mais severa que o governo está adotando contra o regime chinês em uma variedade de questões, desde seus abusos de direitos humanos na região de Xinjiang até sua agressão militar no mar do Sul da China.

Os Estados Unidos declararam formalmente em 13 de julho que se opunham a quase todas as reivindicações territoriais de Pequim no mar da China Meridional. O regime aumentou sua presença na região estratégica através da construção de postos militares em ilhas artificiais. Também implantou navios e barcos de pesca da Guarda Costeira da China para intimidar embarcações estrangeiras e bloquear o acesso a hidrovias.

Na semana passada, Washington anunciou sanções contra várias autoridades chinesas, incluindo um membro sênior do Partido Comunista Chinês envolvido em abusos contra os direitos das minorias étnicas na região de Xinjiang. Estima-se que um milhão de muçulmanos uigures e outras minorias muçulmanas estejam detidos em campos de concentração, como parte da suposta repressão do regime ao que chama de “extremismo”.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui