Trump anuncia ações judiciais coletivas ‘importantes’ contra Twitter, Facebook e Google

0
(Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times).

Os processos serão movidos no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul da Flórida. Trump e sua equipe disseram que os processos têm a ver com a proteção do direito à liberdade de expressão sob a Primeira Emenda

O ex-presidente dos EUADonald Trump, anunciou nesta quarta-feira (7) que vai abrir processos contra o Twitter, Facebook e Google depois que as empresas suspenderam suas contas de mídia social há seis meses por suas declarações após o incidente de 6 de janeiro no Capitólio.

Em um discurso em Bedminster, New Jersey, Trump e sua equipe disseram que os processos têm a ver com a proteção do direito à liberdade de expressão sob a Primeira Emenda. Eles argumentaram que seus direitos foram negados quando as Três Grandes empresas de tecnologia o baniram.

Trump descreveu os “grandes” processos judiciais como um “desenvolvimento muito bonito” para proteger a liberdade de expressão nos Estados Unidos. Os processos serão movidos no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Sul da Flórida e pedirá a um juiz que ordene a cessação imediata de supostos vetos ocultos, censura, listas negras e cancelamentos de empresas de mídia social a pessoas que expressem opiniões políticas fora do convencional.

Twitter, Facebook e Google disseram em janeiro que baniram Trump por suas alegações de que a eleição de 3 de novembro foi roubada e alegou que ele contribuiu para a violência de 6 de janeiro.

“Está destruindo o país”, disse Trump sobre o suposto controle do discurso político pelas redes sociais.

O CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, o CEO do Google, Sundar Pichai, e o CEO do Twitter, Jack Dorsey, foram citados nos processos, assim como as próprias empresas. Trump disse que os processos buscarão forçar o tribunal a conceder a ele uma indenização punitiva pela suspensão.

Trump argumentou que as empresas de mídia social “não são mais empresas privadas” e citou o escudo de proteção da Seção 230 que essas empresas empregam para se protegerem de responsabilidades. Os republicanos argumentaram que o governo federal permitiu que grandes empresas de tecnologia censurassem seus oponentes políticos, enquanto alguns foram mais longe, argumentando que os gigantes da mídia social deveriam ser regulamentados como serviços públicos.

“Este processo é apenas o começo”, disse Trump sobre os processos.

A seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações de 1996 permite que as empresas de internet sejam geralmente isentas de responsabilidade pelo material postado pelos usuários. A lei, que fornece um “porto seguro” legal para empresas de internet, também permite que plataformas de mídia social moderem seus serviços removendo postagens que, por exemplo, sejam obscenas ou violem os próprios padrões dos serviços, desde que ajam de boa fé ”

Os advogados de Trump disseram que o processo se concentrará nas disposições da Seção 230, que dizem ter sido criada na década de 1990 para proteger as crianças de conteúdo nocivo online. A forma como as grandes empresas de tecnologia atualmente usam a lei como escudo, argumentou sua equipe, vai além do que pretendiam originalmente.

Executivos do Twitter disseram que a proibição de Trump será permanente, enquanto o Facebook impôs uma proibição de dois anos à conta do ex-presidente.

Durante sua coletiva de imprensa na quarta-feira, Trump acusou o governo federal de usar o Facebook, Twitter e Google como seu “braço de censura de fato” durante o COVID-19. Uma alegação que foi censurada, ele acrescentou, é que o COVID-19 saiu de um laboratório de virologia de Wuhan no ano passado. No entanto, há alguns meses, o presidente Joe Biden disse que muitos membros da comunidade de inteligência americana agora consideram a teoria viável.

“Isso foi especialmente verdadeiro durante a pandemia, quando as empresas de mídia social começaram a censurar informações” com base nas orientações federais de saúde, disse o ex-presidente.

O esforço jurídico de Trump é apoiado pelo America First Policy Institute. O ex-presidente disse acreditar que milhares de outras pessoas poderiam entrar no processo.

Fonte: Epochtimes

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui