Sodoma e Gomorra foram destruídas por um asteroide?

0

Os cientistas britânicos Alan Bond, diretor da empresa de propulsão espacial Reaction Engines, e Mark Hempsell, especialista em astronáutica da Universidade de Bristol, decifraram as inscrições cuneiformes de uma tabuleta de argila datada de 700 a.C.

Eles concluíram se tratar do testemunho lavrado por um astrônomo sumério descrevendo a passagem de um asteroide cujas características se assemelham à chuva de fogo que arrasou as cidades de Sodoma e Gomorra.

As informações circulam largamente há alguns anos difundidas em páginas da Internet como a BBC Brasil ou jornais como o Times de Londres, La Stampa de Turim, ou Daily Mail. Elas são objeto de crítica e análise. Os especialistas reuniram dados e conclusões no livro “A Sumerian Observation of the Kofels Impact, publicado em Londres.

Tabuleta de argila ou “Planisfério” achada no século XIX. Foi decifrada no fim do século XX. British Museum.

A tabuleta foi descoberta nas ruínas de Nínive por Sir Henry Layard em meados do século XIX. É conservada no British Museum de Londres. Ela é conhecida como “Planisfério” (foto acima) e há 150 anos os cientistas vêm disputando sobre seu verdadeiro significado.

No objeto há anotações de um astrônomo feitas milhares de anos atrás. O “Planisfério” é uma cópia feita por volta do ano 700 a.C., a partir de uma tabuleta suméria muito anterior. Bond e Hempsell apelaram a tecnologias computadorizadas para simular a trajetória de objetos celestes. Assim reconstruíram o céu observado por esse astrônomo há milhares de anos.

Os cálculos apontaram que o evento descrito aconteceu na noite do dia 29 de junho de 3123 a.C., de acordo com o calendário juliano. Os pesquisadores interpretam que uma metade do “Planisfério” informa a posição dos planetas e das nuvens. A outra metade descreve a trajetória de um asteroide de mais de um quilômetro de diâmetro.

O asteroide teria voado próximo ao chão, e as ondas supersônicas que produziu impactavam a Terra com força cataclísmica. Mark Hempsell diz que, pelo tamanho e rota do objeto, pode se tratar do asteroide que se desfez sobre a região de Köfels, nos Alpes austríacos.

O destrutor fenômeno celeste não deixou cratera em Köfels, mas provocou enorme desabamento no morro sobre o qual explodiu. Esse desabamento intrigava aos geólogos. Eles não imaginavam a causa certa e procuravam a cratera provocada pelo impacto de um objeto celeste. Mas esse não colidiu ali na superfície, explodiu no ar, produzindo desabamentos.

A explosão teria gerado uma bola de fogo avançando a uma velocidade de 5 quilômetros por segundo com temperaturas de até 400ºC. Na hora de atingir a terra essa massa incandescente teria devastado por volta de 1 milhão de quilômetros quadrados. O local da queda teria sido a 2.000 quilômetros de Köfels. Quer dizer teria caído de cheio na área do Mar Morto. Segundo Hempsell a devastação se assemelha à descrição bíblica da destruição de Sodoma e Gomorra, e catástrofes mencionadas em mitos antigos.

Nenhuma forma de vida pode ter sobrevivido em talvez centenas de quilômetros em volta do centro da queda.

Para o pesquisador, a nuvem de fumaça causada pela explosão do asteroide teria atingido o Sinai, algumas regiões do Oriente Médio e o norte do Egito. Em Köfels há traços de um impacto cósmico que provocou o desabamento de uma área de 5 quilômetros de largura.

Para Hempsell e Bond a trajetória do meteorito descrita na tabuleta leva a achar que no seu percurso, o asteroide causou pavorosas destruições numa longa faixa. Sodoma e Gomorra estavam nessa faixa e teriam sido destruídas pelo fogo e pela onda de impacto provocada.

O Gênesis assim descreve o acontecimento:

20. O Senhor ajuntou: “É imenso o clamor que se eleva de Sodoma e Gomorra, e o seu pecado é muito grande.

21. Eu vou descer para ver se as suas obras correspondem realmente ao clamor que chega até mim; se assim não for, eu o saberei.” (Gen, 18-21-ss)

Abraão que “ficou em presença do Senhor” fez apelo para salvar as cidades ímpias. Abraão obteve que Deus perdoasse as cidades se nelas e encontrasse dez justos.

32. Abraão replicou: “Que o Senhor não se irrite se falo ainda uma última vez! Que será, se lá forem achados dez?” E Deus respondeu: “Não a destruirei por causa desses dez.”

33. E o Senhor retirou-se, depois de ter falado com Abraão, e este voltou para sua casa. (Gen, 18, 32-33ss)

Porém, nem esses dez justos havia. Dois enviados de Deus, anjos com forma masculina, foram até Sodoma para tirar Lot e sua família. Mas foram percebidos pela população que rodeou a casa de Lot e exigiu com violência que lhes fossem entregues para abusarem deles.

9. Eles responderam: “Retira-te daí! – e acrescentaram: Eis um indivíduo que não passa de um estrangeiro no meio de nós e se arvora em juiz! Pois bem, verás como te havemos de tratar pior do que a eles.” E, empurrando Lot com violência, avançaram para quebrar a porta.

10. Mas os dois (viajantes) estenderam a mão e, tomando Lot para dentro de casa, fecharam de novo a porta.

11. E feriram de cegueira os homens que estavam fora, jovens e velhos, que se esforçavam em vão por reencontrar a porta.

12. Os dois homens disseram a Lot: “Tens ainda aqui alguns dos teus? Genros, ou filhos, ou filhas, todos os que são teus parentes na cidade, faze-os sair deste lugar,

13. porque vamos destruir este lugar, visto que o clamor que se eleva dos seus habitantes é enorme diante do Senhor, o qual nos enviou para exterminá-los.”

14. Saiu Lot, pois, para falar a seus genros, que tinham desposado suas filhas: “Levantai-vos, disse-lhes, saí daqui, porque o Senhor vai destruir a cidade.” Mas seus genros julgaram que ele gracejava.

15. Ao amanhecer, os anjos instavam com Lot, dizendo: “Levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que estão em tua casa, para que não pereças também no castigo da cidade.”

16. E, como ele demorasse, aqueles homens tomaram pela mão a ele, a sua mulher e as suas duas filhas, porque o Senhor queria salvá-los, e o levaram para fora da cidade. (Gen, 19, 9 e ss.)

Lot impetrou e obteve de Deus que o aldeamento de Segor fosse poupado para nele se refugiar com os seus.

23. O sol levantava-se sobre a terra quando Lot entrou em Segor.

24. O Senhor fez então cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo, vinda do Senhor, do céu.

25. E destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo.

26. A mulher de Lot, tendo olhado para trás, transformou-se numa coluna de sal.

27. Abraão levantou-se muito cedo e foi ao lugar onde tinha estado antes com o Senhor.

28. Voltando os olhos para o lado de Sodoma e Gomorra e sobre toda a extensão da planície, viu subir da terra um fumo espesso como a fumaça de uma grande fornalha.

29. Quando Deus destruiu as cidades da planície, lembrou-se de Abraão e livrou Lot do flagelo com que destruiu as cidades onde ele habitava. (Gen, 19, 23 e ss)

* * *
A tese defendida pelos britânicos Alan Bond e Mark Hempsell tem verossimilhança. Porém ainda deve passar pelo crivo da crítica científica. Isto pode demorar anos e trazer talvez enriquecimentos ou modificações importantes. Ou até sua substituição por outra. Ou a sua confirmação, seja pela demonstração definitiva, seja pelo consenso dos cientistas prudentes.

A proposta, entrementes, não deixa de fornecer valiosos elementos para a reflexão.

Deus costuma agir por meio de causas segundas. Quer dizer, por meio de seres criados, como elementos da natureza, homens ou anjos.

No caso de Sodoma e Gomorra, Deus se valeu do fogo: “fez cair uma chuva de enxofre e de fogo”.

A dedução de Bond e Hempsell explicaria a “causa segunda” empregada por Deus para gerar a formidável massa de fogo capaz de provocar a “grande fornalha” que “destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo”: um asteroide que causou profunda impressão nos astrônomos caldeus que o viram passar.

O local estimado de Sodoma e Gomorra fica nas vizinhanças do Mar Morto, nos sítios arqueológicos de Tall el-Hamaam e Tall Kafrein.

P.S.: Dados publicados em novembro de 2015 reunindo os resultados de décadas de escavações em Tall el-Hamaam, Jordânia, confirmaram que Sodoma ficava ali. E reforçaram ainda mais a teoria dos dois cientistas britânicos.

Confira em: Ruínas de Sodoma desvendadas: lições para o presente e para o futuro

E também: Sodoma: uma megalópole fastuosa que desapareceu de um modo sem precedentes


Ruínas da cidade bíblica de Sodoma encontradas junto ao Jordão

Fonte: cienciaconfirmaigreja.blogspot.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui