Reino Unido inicia estudo em humanos para vacina contra Covid-19

0
Illustrative vial of coronavirus vaccine

Estudo clínico para uma possível vacina contra o vírus do PCC começou no Reino Unido na quinta-feira (23)

Illustrative vial of coronavirus vaccine

“Hoje estou feliz pelos primeiros testes em humanos de uma vacina contra o coronavírus acontecerem aqui no Reino Unido”, disse o secretário de Estado da Saúde e Assistência Social Matt Hancock em comunicado em vídeo. Hancock, também membro do parlamento de West Suffolk, disse que as autoridades “cruzaram os dedos para que tudo dê certo”.

O candidato a vacina que foi desenvolvida pela Universidade de Oxford, não respondeu imediatamente a uma solicitação de mais informações. Três pesquisadores principais disseram em um comunicado na terça-feira que os testes começariam nesta semana. Os testes estaõ sendo conduzidos pelo Jenner Institute e pelo Oxford Vaccine Group.

Pesquisadores anunciaram no mês passado que começaram a triagem de voluntários de saúde para o estudo, que analisará a segurança e a eficácia da vacina.

“Este estudo tem como objetivo avaliar se pessoas saudáveis ​​podem ser protegidas do COVID-19 com esta nova vacina chamada ChAdOx1 nCoV-19. Também fornecerá informações valiosas sobre os aspectos de segurança da vacina e sua capacidade de gerar boas respostas imunológicas contra o vírus”, afirmou a equipe de pesquisa em um post no blog.

Vacina é feita a partir do vírus ChAdOx1

A vacina é feita a partir do vírus ChAdOx1, uma versão mais fraca do adenovírus do vírus do resfriado comum, que foi geneticamente modificada para que não possa crescer em humanos.

Foi adicionado material genético à construção para produzir proteínas do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) chamado glicoproteína Spike. O objetivo é que a vacinação desencadeie uma resposta imune à proteína que ajudará a impedir que o vírus entre nas células humanas.

Até 1.102 pessoas serão recrutadas em locais de estudo em Oxford, Southampton, Londres e Bristol. Alguns receberão a vacina, enquanto outros receberão uma vacina diferente, MenACWY, usada para proteger contra meningite e sepse, e servirão como um grupo de controle.

Dez voluntários serão recrutados separadamente e receberão duas doses da vacina COVID-19 com quatro semanas de intervalo.

No primeiro dia do julgamento, um voluntário será vacinado com ChAdOx1 nCoV-19 e o outro vacinado com MenACWY. O par será monitorado por 48 horas. Outros seis participantes serão vacinados no dia três e serão monitorados por 48 horas antes do julgamento progredir para vacinar um número maior de voluntários.

Os participantes receberão um diário para registrar quaisquer sintomas que tenham experimentado nos sete dias após receberem a vacina e serão solicitados a observar se se sentirem indispostos pelas três semanas seguintes. Os voluntários participarão de uma série de visitas de acompanhamento.

Primeiros resultados em até seis meses

Os dados para verificar se a vacina funciona podem chegar em alguns meses, mas em até seis meses, dependendo do nível de transmissão na comunidade. Se a vacina não funcionar, a equipe planeja revisar o que aconteceu, examinar abordagens alternativas e potencialmente interromper o programa.

“A equipe de Oxford teve uma experiência excepcional de uma resposta rápida à vacina, como o surto de Ebola na África Ocidental em 2014”, disse o professor Adrian Hill, diretor do Instituto Jenner da Universidade de Oxford, em comunicado anterior. “Esse é um desafio ainda maior. As vacinas estão sendo projetadas do zero e progrediram a uma taxa sem precedentes. O próximo julgamento será fundamental para avaliar a viabilidade da vacinação contra o COVID-19 e poderá levar ao desenvolvimento precoce. ”

Outro professor, Andrew Pollard, disse: “Iniciar os ensaios clínicos é o primeiro passo nos esforços para descobrir se a nova vacina que está sendo desenvolvida na Universidade de Oxford funciona e poderia desempenhar com segurança um papel central no controle do coronavírus pandêmico que está varrendo o mundo.”

Algumas outras vacinas já estão em testes em humanos, incluindo as desenvolvidas pela Moderna e pela Inovio Pharmaceuticals, com sede nos EUA.

Embora a vacina ChAdOx1 não esteja quase pronta, ela já está sendo produzida.

Sandy Douglas, que lidera o projeto de expansão da fabricação de vacinas, disse em comunicado esta semana: “A escala desta epidemia representa um enorme desafio para a fabricação de vacinas. Precisamos seguir padrões rigorosos de segurança e isso leva tempo. Ao iniciar o trabalho de fabricação em larga escala imediatamente, esperamos acelerar a disponibilidade de uma vacina segura e de alta qualidade”.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui