Putin alerta sobre tensão pós-COVID 19, que pode significar ‘fim de nossa civilização’

0
Vladimir Putin. Foto: Shutterstock / Divulgação.

O presidente russo falou na conferência da Agenda de Davos de 2021, do Fórum Econômico Mundial (WEF)

O presidente russo Vladimir Putin comparou a atual situação global com a era pré-Segunda Guerra Mundial, alertando que um conflito global poderia surgir como resultado do COVID-19, o que poderia “significar o fim de nossa civilização.”

Putin fez seu discurso de 45 minutos como parte da conferência da Agenda de Davos de 2021 do Fórum Econômico Mundial (WEF), que aconteceu entre os dias 25 a 29 de janeiro, o qual tinha como foco a vida no mundo pós-COVID, e o lançamento da agenda globalista Great Reset, iniciada e promovida pelo WEF.

O fundador do WEF, Klaus Schwab, deu as boas-vindas ao discurso de Putin para o WEF, revelando que a dupla tinha uma amizade desde 1992 e dizendo que “a capacidade de ouvir sua voz … é essencial” na “janela única e curta de oportunidade para sair de uma era de confronto para uma era de cooperação.”

Falando via link de vídeo, a mensagem de “cooperação” e paz de Putin apresentou uma visão sombria do mundo. O presidente russo mencionou tensões e “desequilíbrios” que minam os países. “A pandemia de coronavírus … tornou-se um grande desafio para toda a humanidade, apenas acelerou as mudanças estruturais, cujas pré-condições já existem há muitos anos.”

“A pandemia exacerbou os problemas e desequilíbrios que se acumularam no mundo; temos todos os motivos para acreditar que as tensões podem se agravar ainda mais, e essas tendências podem surgir em quase todas as áreas.”

Putin comparou a turbulência dos tempos atuais com a era pouco antes da Segunda Guerra Mundial: “Naturalmente, não há paralelos diretos na história, mas alguns especialistas … comparam a situação atual com o final dos anos 20 ou início dos anos 30 do século passado … Não se pode deixar de traçar algum paralelo em termos de muitos aspectos, tanto a escala quanto a … natureza sistêmica das ameaças naturais”.

“O popularismo, o radicalismo de direita e de esquerda e os movimentos extremos estão em ascensão”, declarou ele, antes de acrescentar que “vários processos políticos, incluindo economias importantes, estão aumentando e se tornando mais violentos”.

O presidente russo continuou comentando sobre o aumento da instabilidade, tanto internacional quanto nacionalmente, dizendo que “a situação de segurança global é degradante”.

“As diferenças estão levando a uma espiral descendente. É bem sabido que no século 20, o fracasso e a incapacidade de resolver centralmente essas questões resultaram na catastrófica Segunda Guerra Mundial”, disse ele. “É claro que hoje em dia um conflito tão acalorado não é possível. Espero que não seja possível em princípio, porque significará o fim da nossa civilização.”

Depois de sugerir uma possível recorrência de conflito em uma escala da Segunda Guerra Mundial, Putin previu que tal evento poderia de fato ocorrer se nenhuma ação fosse tomada.

“Mas gostaria de reiterar que uma situação pode se desenvolver de maneira imprevisível e incontrolável se não fizermos nada para evitá-la. E existe a possibilidade de que possamos experimentar um colapso real do desenvolvimento global que pode resultar na luta de todos contra todos.”

Em meio a esse conflito, Putin declarou que haveria uma busca frenética por “inimigos internos e externos” e, como resultado da luta, os valores tradicionais seriam destruídos.

“A luta significaria a destruição não apenas de valores tradicionais, e nós valorizamos esses valores na Rússia, como a família, mas também as liberdades fundamentais, incluindo o direito de escolha e privacidade.

Gostaria de saber que a crise social e a crise de valores já causaram consequências demográficas negativas. Como resultado, a humanidade corre o risco de perder civilizações e culturas inteiras.”

O ex-agente da KGB descreveu este futuro como “uma distopia sombria”.

Seu discurso também incluiu elogios à quarta revolução industrial do WEF, centrada na inteligência artificial. Putin explicou como “[a] pandemia de coronavírus acelerou muito esses desenvolvimentos e implementação”. Schwab descreveu anteriormente a quarta revolução industrial, um termo que ele cunhou, como algo que “alterará fundamentalmente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos uns com os outros”.

Os comentários de Putin alertando sobre o aumento das tensões, a guerra global e a maneira como as “liberdades fundamentais” são valorizadas na Rússia, acontecem no momento em que milhares de pessoas na Rússia saem às ruas para protestar contra a prisão do líder da oposição e ativista anticorrupção da Rússia, Alexei Navalny.

Navalny havia retornado recentemente a Moscou em 17 de janeiro, após passar um tempo se recuperando em Berlim de um envenenamento por agente nervoso, pelo qual culpou Vladimir Putin. Ao pousar, ele foi imediatamente levado sob custódia policial, gerando protestos em todo o país, que foram descritos como “o maior confronto nacional em anos entre o Kremlin e seus oponentes”.

Fonte: Life Site News

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui