Pequim censura foto de moradores de Wuhan fazendo longas filas em crematórios

0
Pessoas que usam máscaras caminham no parque olímpico de Pequim em 24 de março de 2020 (Nicolas Asfouri / AFP via Getty Images / Divulgação)

Internautas chineses estão furiosos depois que os censores da Internet excluíram uma imagem que circula nas redes sociais

Fonte: Artigo escrito por Frank Fang no jornal Epoch Times

Os internautas chineses estão furiosos depois que os censores da Internet excluíram uma imagem que circula nas redes sociais de pessoas fazendo fila para recolher as cinzas de seus familiares em uma funerária em Wuhan, marco zero da epidemia de vírus na China.

A foto foi postada pelo usuário do Weibo @ 毛大庆. Algumas pessoas de wuhan, após meses de confinamento no local, estavam esperando na fila do Hankou Funeral Home para recolher as cinzas dos membros da família. Isso é de partir o coração. pic.twitter.com/pceIslxpa9

Em 25 de março, as autoridades de saúde da província de Hubei reduziram o nível de risco para Wuhan de alto para médio, com base em um sistema de três níveis que corresponde a diferentes níveis de quarentena. No mesmo dia, algumas funerárias começaram a permitir que os habitantes locais recolhessem as cinzas de seus parentes que morreram desde que a cidade foi fechada no final de janeiro.

Um internauta chinês, que usa o apelido online “Mao Daqing”, postou no Weibo, uma plataforma de mídia social semelhante ao Twitter, uma foto de uma longa fila do lado de fora da Casa Funerária Hankou em Wuhan, um dos sete funerais administrados pelo governo da cidade.

Segundo sua descrição pessoal, Mao é de Pequim e presidente de uma empresa chinesa.

A postagem original de Mao foi logo excluída pelas autoridades, atraindo protestos de muitos usuários do Weibo. Alguns salvaram com sucesso a foto original de Mao e republicaram a foto em suas contas, enquanto questionavam por que a foto estava sendo censurada.

Um internauta de Pequim escreveu: “Eles [a mídia estatal chinesa] apenas informam sobre a terrível situação [do surto] em outros países. Mas falar sobre [surto da China] é proibido”.

Outro internauta com o apelido “Player Name 721” de Pequim escreveu sarcasticamente que a foto deve ter sido tirada em algum lugar fora da China, como Itália ou Estados Unidos, já que, de acordo com o regime chinês, o país combateu com sucesso o vírus.

Um internauta chinês com o apelido “Sha Qiu 2046”, que se descreve como repórter da província de Sichuan, no sudoeste da China, em seu Weibo, disse que também viu uma longa fila de carros estacionados ao longo da estrada para a Casa Funerária Hankou. Segundo seus posts no Weibo, ele chegou a Wuhan no início de fevereiro.

Em um post de 26 de março, ele disse que havia uma forte segurança nas instalações quando chegou por volta das 10 horas, hora local.

“A entrada estava sob forte segurança, e havia oficiais à paisana por toda parte. Basicamente, sempre que alguém levantava seus celulares, eles eram imediatamente instruídos a parar o que estavam fazendo”, escreveu ele.

No início de fevereiro, o Epoch Times conduziu uma investigação secreta, ligando para casas funerárias em Wuhan, a fim de entender o verdadeiro número de mortos na epidemia.

Naquela época, a Funeral Hankou confirmou que seu crematório usava 20 fornos para cremar corpos 24 horas por dia, o aumento repentino na cremação sugeria que mais pessoas estavam morrendo do vírus PCC do que o relatado oficialmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui