OMS perdeu credibilidade durante a crise do COVID-19, diz Robert O’Brien

1

Órgão não teria alertado o mundo sobre uma possível emergência sanitária causada pela propagação do vírus do PCC

O governo Trump redirecionará os fundos dedicados a ajudar outros países em seu combate ao COVID-19 a outras organizações que não a Organização Mundial da Saúde (OMS). A OMS perdeu sua credibilidade por não alertar o mundo sobre uma possível emergência sanitária causada pela propagação do vírus do Partido Comunista Chinês (PCC), comumente conhecido como novo coronavírus na China.

“Gastamos quase meio bilhão de dólares com a OMS”, disse Robert O’Brien, consultor de segurança nacional do presidente Donald Trump, em entrevista à NPR.

“A China que controla a OMS, infelizmente – a OMS se tornou uma ferramenta de propaganda para os chineses – gasta cerca de US$ 40 milhões. Pelo menos é o que eles gastam com a organização abertamente. Se eles podem estar gastando outro dinheiro para influenciar a organização – isso é algo que estamos investigando com muito cuidado”, continuou O’Brien.

“Nós simplesmente não sabemos, isso é algo que estamos investigando”, se o dinheiro chinês ajudou a influenciar a OMS e seus julgamentos médicos e de saúde, O’Brien disse: “Obviamente há muita corrupção nas organizações internacionais, e estamos vai dar uma olhada de perto nessa questão”.

Se o presidente não conseguir “as reformas necessárias” na OMS, o governo doará o dinheiro diretamente para organizações sem fins lucrativos, como a Cruz Vermelha, os Médicos Sem Fronteiras ou outras, disse ele. “Eles estão realmente ajudando pessoas, pacientes com COVID-19, e estão ajudando a impedir a propagação do vírus”, acrescentou O’Brien.

O presidente Donald Trump suspendeu o financiamento para a Organização Mundial da Saúde no início deste mês porque a organização falhou em investigar relatórios confiáveis ​​conflitantes com a narrativa oficial chinesa sobre o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), conhecido como novo coronavírus, levando a um surto mais amplo de o vírus que poderia ter ocorrido de outra forma. Enquanto o financiamento está em pausa, a resposta da OMS ao surto de COVID-19 está sendo analisada pelo governo Trump, que deve levar de 60 a 90 dias.

No entanto, o dinheiro que já foi dado à OMS não será recuperado; apenas um novo financiamento foi pausado, explicou John Barsa, administrador em exercício da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID) em uma coletiva em 22 de março.

Como a “pandemia não pode esperar pela revisão”, os Estados Unidos continuarão ajudando outros países ao redor do mundo. Mais uma vez, a USAID selecionará o melhor canal, dependendo das circunstâncias, e poderá usar várias organizações internacionais, organizações sem fins lucrativos, organizações religiosas ou contratados, disse Jim Richardson, diretor de assistência estrangeira do Departamento de Estado no mesmo briefing.

Como a OMS respondeu ao surto do vírus do PCC

Após o primeiro surto de SARS em 2003, as regras da OMS sobre como os países devem relatar ameaças à saúde pública foram reformadas em uma iniciativa liderada pelos EUA, disse o secretário de Estado Mike Pompeo na mesma coletiva. As novas regras que entraram em vigor em 2007 regulam em detalhes como cada país participante deve divulgar informações sobre ameaças à saúde em seu território que possam comprometer a saúde pública e constituir uma emergência de saúde em outros países.

“Acreditamos firmemente que o partido comunista chinês não relatou o surto do novo coronavírus em tempo hábil à Organização Mundial da Saúde”, disse Pompeo, “mesmo depois que o PCC notificou a OMS sobre o surto de coronavírus, a China não compartilhou todas as informações que tinha”.

O regime comunista chinês “não relatou a transmissão sustentada de pessoa para pessoa por um mês até que o surto estivesse em todas as províncias da China”, disse Pompeo, “ordenou a interrupção dos testes de novas amostras e destruiu as amostras existentes”. Também suprimiu os denunciantes que tentaram alertar o mundo sobre a ameaça potencial à saúde, disse ele.

“O PCC ainda não compartilhou a amostra de vírus de dentro da China com o mundo exterior, tornando impossível acompanhar a evolução da doença”, afirmou Pompeo.

As novas regras dão ao chefe da OMS autoridade para informar o público quando um membro de um país deixa de seguir essas regras, mas isso não aconteceu no caso da COVID-19.

A OMS disse que as autoridades chinesas o informaram primeiro sobre o surto em 31 de dezembro de 2019, mas a OMS não transmitiu nenhuma de suas informações ao mundo naquele dia.

A OMS também permaneceu em silêncio quando a epidemia se espalhou amplamente em Wuhan, e o regime chinês silenciou médicos e outros denunciantes que tentaram alertar o público sobre o surto.

A organização também informou o mundo sobre a possível transmissão da doença de pessoa para pessoa ou infecções por COVID-19 entre os profissionais de saúde com um atraso que permitiu que o vírus do PCC se espalhasse internacionalmente, contrariamente as descobertas de médicos especialistas de Taiwan que conduziram suas avaliações de o surto de COVID-19 em Wuhan.

Modelagem estatística, relatos de testemunhas oculares e documentos fornecidos ao Epoch Times mostraram que as autoridades chinesas ocultaram a verdadeira escala do surto em Wuhan e outras partes da China.

Fonte: Epoch Times

1 Comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui