O Papa Francisco dogmatiza o Vaticano II

0
Papa Francisco

A cenoura posta à frente do animal o faz avançar, mas se tal não acontecer o cavaleiro usa o pau ou chicote. Francisco aplica o pau nos conservadores

Por José Antonio Ureta

O pontificado de Francisco representou uma verdadeira mudança de paradigma até em relação à imposição, aos tradicionalistas, das novidades do Concílio Vaticano II: passou-se da cenoura ao pau, dos incentivos às ameaças.

Quando ainda cardeal, Joseph Ratzinger havia reconhecido, com honestidade, que «verdade é que este particular Concílio [Vaticano II] não definiu dogma algum e, deliberadamente, escolheu permanecer num nível modesto, como um concílio meramente pastoral» (Discurso em Santiago do Chile, 1988). Na mesma ocasião, o então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé lamentou o fato de que, «no entanto, muitos o consideram quase como se fosse um super-dogma que priva de significado todos os outros concílios».

Depois, enquanto Papa, reconhecendo que havia ambiguidade de interpretação nos textos conciliares, Bento XVI propôs, aos que questionavam a sua ortodoxia, a cenoura da “hermenêutica da continuidade” com o magistério tradicional. A cenoura teológica ratzingeriana não apeteceu às principais figuras críticas do Concílio, tais como Mons. Brunero Gherardini, o Prof. Roberto de Mattei, os teólogos da Fraternidade S. Pio X e ainda outros, que rejeitaram a proposta, argumentando que não era suficiente proclamar a suposta continuidade do Vaticano II com o magistério precedente, mas era preciso demonstrá-la.       

Francisco abandonou a cenoura e não somente abraçou, abertamente, a tese da ruptura do magistério novo com o magistério tradicional, mas agora empunhou o pau.          

Com efeito, no discurso para celebrar o 25.º aniversário do Catecismo de João Paulo II, o Papa Bergoglio declarou: «A Tradição é uma realidade viva; e somente uma visão parcial pode conceber o “depósito da fé” como algo de estático. A Palavra de Deus não pode ser conservada em naftalina, como se se tratasse de uma velha coberta que é preciso proteger da traça! Não. A Palavra de Deus é uma realidade dinâmica, sempre viva, que progride e cresce, porque tende para uma perfeição que os homens não podem deter».

E, na audiência deste sábado (30 de Janeiro), brandiu o pau. Dirigindo-se aos membros do Escritório Catequético da Conferência Episcopal Italiana, que celebrava o 60.º aniversário do início das suas atividades de renovação da catequese nos moldes do Concílio Vaticano II, o Papa Francisco afirmou em tom ameaçador: «O Concílio é magistério da Igreja. Ou estás com a Igreja e, portanto, segues o Concílio, e se não segues o Concílio ou o interpretas à tua maneira, à tua própria vontade, não estás com a Igreja».     

Ou seja, voltou-se ao super-dogma. Com uma circunstância agravante: de ora em diante, não é mais aceitável sequer dar ao Vaticano II outra interpretação do que aquela oficial. À vista disso, Francisco faz uma dupla dogmatização: 1.º do Concílio e 2.º da sua interpretação. O que parece pouco harmonizável com o caráter pastoral e voluntariamente não dogmático da assembleia conciliar.

Na França, os coitados dos alsacianos, que foram integrados, à força, no Exército alemão – sob a alegação de que eram de raça germânica –, são conhecidos como os “malgré nous”, porque foram recrutados contra a própria vontade. Os documentos do Vaticano II, pela vontade autocrática do Papa Francisco, passaram a ser os “malgré nous”do magistério, já que foram, por ele, incorporados, à força, entre os documentos infalíveis, contra a vontade manifesta dos padres conciliares, que os aprovaram, e de Paulo VI, que os ratificou.     

Não há dúvida de que o Pontífice tem o direito de empregar o carisma de infalibilidade com o qual Jesus Cristo dotou a sua Igreja. Mas deve fazê-lo respeitando os requisitos de solenidade, universalidade e manifestação expressa da vontade de definir, que a Teologia exige das declarações ex cathedra. Uma dogmatização do Vaticano II feita num aparte improvisado de uma audiência não tem a força magisterial requerida para obrigar as consciências. E menos ainda para justificar a exclusão do seio da Igreja, implícita nas suas palavras.      

O mesmo pontífice que não condena, mas abençoa Joe Biden (apesar deste dissentir, abertamente, do ensinamento da Igreja em questões morais essenciais, como o aborto e a agenda LGBTQ), é inexorável com aqueles que questionam o Vaticano II: «Temos que ser exigentes e rigorosos neste ponto. O Concílio não deve ser negociado para ter mais destes… Não, o Concílio é assim. […] Por favor, nenhuma concessão para aqueles que tentam apresentar uma catequese que não esteja de acordo com o Magistério da Igreja».      

Nessa última frase, transparece, mais uma vez, a identificação abusiva do Magistério da Igreja com as novidades do último Concílio, transformando-o no «super-dogma que priva de significado todos os outros concílios», como denunciou o Cardeal Ratzinger. Essa identificação só se justificaria a partir da teoria modernista de um depósito da fé dinâmico, cujo conteúdo evolui com a consciência da humanidade, expressa na mudança, introduzida por Francisco, no Catecismo, para tornar ilícita a pena de morte, contrariando as Escrituras e o ensino perene desde os Padres da Igreja.

Estamos plenamente de acordo em que o Magistério não deve ser negociado e na necessidade da Igreja ser rigorosa e exigente na defesa da integridade do depósito da fé. Mas é, precisamente, por isso que muitos analistas sérios e competentes objetam passagens dos documentos conciliares que, no seu sentido natural, parecem inconciliáveis com o ensino tradicional. 

No passado mês de Junho, tive a honra de co-assinar uma carta aberta aos bispos D. Carlo Maria Viganò e D. Athanasius Schneider em agradecimento pelo apelo a iniciar um debate aberto e honesto sobre o que aconteceu realmente no Vaticano II e por identificar alguns dos pontos doutrinais mais importantes a serem abordados em semelhante análise dos seus documentos. A troca de opiniões – educada e respeitosa – desses dois prelados, dizia a missiva, poderia servir de modelo para um debate ainda mais robusto, evitando-se meros ataques ad hominem.     

Desafortunadamente, o Papa Francisco, nas palavras que improvisou na audiência de sábado passado, enveredou pela senda oposta. Mas essas tornam tal debate ainda mais urgente, posto que parecem inaugurar uma nova etapa no relacionamento da Santa Sé com aqueles que, há várias décadas, pedem, filialmente, um pronunciamento definitivo do Magistério a respeito das suas objeções às novidades conciliares. O pau esgrimido prenuncia não apenas o habitual ostracismo dos tradicionalistas, mas a sua exclusão da Igreja. Como a sofrida, gloriosamente, no século IV, pelo grande Santo Atanásio. Que ele interceda por nós!

Fonte: Dies Irae

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui