O complô contra a masculinidade

0

O termo ‘masculinidade tóxica’ nas discussões da mídia convencional não é um acaso, coincide com uma cruzada contra a verdadeira masculinidade

Por Frank Furedi

“A estréia do termo ‘masculinidade tóxica’ nas discussões da mídia convencional não é um acaso, mas coincide com uma cruzada que pretende fazer dos homens a personificação de todos os obstáculos malignos para um sociedade ‘inclusiva’ e ‘diversa’.

É importante notar que essa cruzada não é simplesmente contra os homens, mas contra os valores associados aos homens. A fúria da campanha é dirigida contra a violência masculina.

Mas essa cruzada também é intensamente hostil contra as virtudes associadas aos homens como coragem, disposição para assumir riscos, autocontrole emocional e estoicismo.

Esses valores, antes celebrados, hoje são tratados como patologias.

A invenção da ‘masculinidade tóxica’ é na verdade uma tentativa de patologizar a identidade masculina como um todo.

Nossa era é caracterizada pelo florescimento e celebração de um número crescente de identidades, mas abre uma exceção para demonizar a identidade masculina.
Isso não pode ser comemorado.

O termo ‘masculinidade tóxica’ foi criado por ideólogos para desacreditar os homens estóicos que são atraídos para o comportamento autônomo, os riscos e o autocontrole.

A aparente incapacidade de aceitar e concordar com a fraqueza é considerada uma falha fatal na psique masculina.

A competição e a aspiração à autonomia individual são apresentados como impulsos psicologicamente destrutivos.

Os psicólogos britânicos Dan Kindlon e Michael Thompson escreveram no The Times: “Idéias estereotipadas sobre a dureza masculina negam a um menino suas emoções e roubam-lhe a chance de desenvolver toda a gama de recursos emocionais”.

A estigmatização do comportamento masculino na verdade corrói o desenvolvimento psicológico de meninos e rapazes.

Muitos jovens hoje acham a transição para a idade adulta confusa porque os valores associados a ser um homem já não recebem validação cultural.

A humanidade como um todo sofre com essa cruzada contra os valores que são atribuídos aos homens. Coragem, autonomia e disposição para assumir riscos têm sido centrais para o desenvolvimento do espírito humano”.

Nota do tradutor:
Dias atrás, Sonaira Fernandes apenas defendeu o padrão bíblico de masculinidade, e lamentou que esta é uma geração de “homens frouxos, capados pelo politicamente correto”.Foi o suficiente para que sua fala – a primeira dela enquanto vereadora na Câmara de São Paulo – fosse taxada de “agressiva” pela Folha, e provocasse reações da bancada do PSOL.Virou um escândalo. Sonaira não disse nada demais.É que toda a estrutura do politicamente correto – uma imensa rede de jornalistas, políticos, entidades, “especialistas” e acadêmicos – desmorona diante da primeira lufada de verdade.A verdade é como um leão; você não precisa defendê-la. Deixe-a solta, e ela se defenderá a si mesma.

*

Frank Furedi é um sociólogo húngaro-canadense e professor na Universidade de Kent, na Inglaterra. Mais de 10 livros publicados, nenhum deles no Brasil.

Traduzido e adaptado por Thiago Cortês do artigo “The crusade agaisnt masculinity”, publicado no site do autor.

Fonte: Mídia Sem Máscara

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui