Newt Gingrich: Cúpula Biden-Putin – o que a mentalidade soviética-KGB do líder russo significa para as relações com os EUA

0
EPA.

As autoridades russas nunca se livraram de ex-funcionários da KGB e do Partido Comunista. Nunca houve um verdadeiro acerto de contas com o passado soviético da Rússia

Depois do encontro cara a cara do presidente Biden com Vladimir Putin em Genebra na semana passada, não pude deixar de pensar em minha viagem à Rússia em 1993.

Eu estava em uma delegação do Congresso em visita a Moscou quando Boris Yeltsin era presidente e o Ocidente tinha grandes esperanças de uma Rússia mais aberta e democrática. Fui ver o então vice-presidente, que era general da Força Aérea, em seu gabinete. Uma parede inteira da sala era um mapa da União Soviética.

Sendo alegremente ignorante, eu disse a ele: “Puxa, esse é um mapa da União Soviética.”

Ele olhou para mim e respondeu: “Sim, e é assim que vai ficar de novo”.

O próprio Putin expressou sentimentos semelhantes, chamando o colapso do império soviético de a “maior catástrofe geopolítica” do século XX.

Não se pode subestimar a importância da experiência de Putin como agente soviético no KGB foi – e é – para a sua mentalidade de hoje. Na verdade, devemos pensar em Putin como um homem racional, mas racional a partir do quadro de um oficial do KGB treinado na Guerra Fria que considera um certo nível de violência e brutalidade como a forma de como os negócios são feitos. 

A KGB considerava o Ocidente um inimigo e qualquer coisa prejudicial que acontecesse dentro da União Soviética como resultado da influência ocidental. Esse mesmo pensamento continua a dominar as mentes de Putin e seus associados hoje.

O resultado final é o seguinte: não veremos uma reinicialização da Rússia tão cedo – especialmente se os líderes americanos não estabelecerem uma dissuasão confiável.

Os líderes da Rússia, como seus predecessores soviéticos, sentem a necessidade de projetar uma dureza brutal no exterior porque, de outra forma, eles acreditam, as vantagens do Ocidente seriam avassaladoras. Um dos exemplos mais flagrantes e terríveis desse tipo de projeção é o uso de veneno pela Rússia como arma para assassinar oponentes na Europa e em outros lugares.

Eu exploro alguns dos mais implacáveis ​​e nefastos planos de assassinato na Rússia, junto com o que anima Putin, esta semana em meu podcast, “Newt’s World”. Minha convidada para discutir tudo isso é Amy Knight, uma especialista profundamente conhecedora da Rússia e autora de “Ordens de Matar: O Regime de Putin e o Assassinato Político”.

Nos últimos anos, vimos Moscou usar envenenamento repetidamente. No ano passado, por exemplo, Putin tentou assassinar seu principal oponente, Alexei Navalny, com veneno antes de prendê-lo. Em 2018, a Rússia envenenou Sergei Skripal, um ex-oficial militar russo e agente duplo da inteligência britânica, e sua filha, Yulia Skripal.

O que é tão interessante é como a Rússia está aberta e desleixada com seu envenenamento. As operações dificilmente são secretas. Parece que eles querem enviar um sinal ao mundo. O Kremlin certamente não parece incomodado se sabemos que eles estão por trás de alguma dessas conspirações.

A noção de que podemos discutir as tendências atuais nos assassinatos russos é bastante reveladora sobre o quão estranho e brutal é o regime de Putin. Mas, como explica Knight, a Rússia nunca teve uma lustração adequada após o colapso da União Soviética. As autoridades russas nunca se livraram de ex-funcionários da KGB e do Partido Comunista. Nunca houve um verdadeiro acerto de contas com o passado soviético da Rússia, o que explica, pelo menos em grande parte, por que a Rússia de Putin é tão cruel e antidemocrática.

Seria ótimo se houvesse uma maneira de chegar a mais uma revolução russa que conduza a uma Rússia aberta e genuinamente democrática. Mas, infelizmente, podemos não ver isso em nossa vida.

Fonte: Fox News

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui