Merkel prepara a Alemanha para o “Great Reset”

0

Artigo originalmente escrito por Sven von Storch e publicado no freiewelt

Merkel deixa para trás um deserto de escombros: dívidas, alta carga tributária, altos preços da eletricidade, indústria alemã em declínio, economia em dificuldade, fundos de pensão vazios e o corte dos direitos e liberdades civis. Ela está assim preparando o país para o “GREAT RESET”, o grande novo começo.

O governo Merkel destruiu o que a geração do pós-guerra criou em termos de valores. Não faz muito tempo, a Alemanha era um próspero país, modelo democrático liberal na Europa. Isso agora está no passado. Graças à Merkel.

O que a Merkel nos trouxe? As finanças do Estado estão arruinadas. A dívida e a carga tributária são as mais elevadas nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os cidadãos alemães são os garantidores da dívida dos outros estados da UE em cerca de um trilhão de euros. Por causa da reviravolta energética, os preços da eletricidade subiram desmesuradamente. A indústria alemã está em declínio. Não somos mais um local de alta tecnologia. O know-how está migrando para a Ásia. Há uma inflação crescente, que cada cidadão sente em sua carteira. Nenhum trabalhador normal pode seriamente almejar a compra de um apartamento ou de uma casa hoje. A abertura das fronteiras também mudou a demografia da Alemanha e com ela a segurança interna, o número de ataques violentos aumentou, mulheres e crianças não podem mais andar em segurança pelas ruas à noite após o anoitecer.

E agora as medidas totalitárias de combate ao corona do governo Merkel: A gastronomia e grandes partes da economia estão em necessidade. Os direitos e liberdades civis são cada vez mais restringidos. A censura, a denúncia e o medo estão se espalhando. Os cidadãos perdem a confiança no Estado de direito.

Como devem ser medidos em números os danos que o governo Merkel trouxe à Alemanha? Estas são somas que nos lembram o fim da Segunda Guerra Mundial. Os danos serão sentidos a longo prazo, quando nossos filhos e netos e as gerações futuras tiverem que pagar as dívidas do governo Merkel e a inflação reduzirá o nível de vida de muitas pessoas na Alemanha.

As elites estão planejando o “GREAT RESET”

A política da Merkel está de acordo com os planos destrutivos das elites globalistas. Eles declaram livre e abertamente no Fórum Econômico Mundial, nas Nações Unidas e nos organismos internacionais que irão explorar a crise da Corona para iniciar o “GREAT RESET”, o grande novo começo. Ou como Biden disse: a Grande Transformação.

Eles querem reestruturar completamente a economia e a sociedade. Eles querem mais vigilância estatal, uma subjugação global. A Revolução Industrial 4.0 destrói o indivíduo livre e o expõe ao assim chamado transhumanismo. Eles querem que nos separemos do bem estar atual, tenhamos menos filhos, abandonemos o modelo clássico de família, nos curvemos à mania do gênero, joguemos nossos valores burgueses e cristãos ao mar e nos submetamos à nova estrutura de poder. O objetivo da ideologia de gênero é destruir a família como o núcleo da sociedade. O objetivo da ideologia climática é a dissolução da propriedade privada e, portanto, a independência do cidadão em relação ao Estado e aos interesses globais. O objetivo da destruição da nação e da soberania dos povos é a dissolução do poder de identidade dos povos como comunidade e, portanto, do poder espiritual dos próprios povos.
A economia de mercado deve dar lugar ao socialismo verde. Há que haver um novo começo para o capitalismo: A economia deve ser administrada em escala global, todas as áreas da vida devem ser ideologizadas e uma redistribuição em larga escala da riqueza das pessoas comuns deve ocorrer.

Sob a doutrina de uma “infra-estrutura verde”, o mercado deve ser orientado no futuro com base em “indicadores ecológicos, sociais e de governança”, a fim de alcançar supostamente “resultados justos”. A cooperação entre o Estado e o setor privado na crise da Corona, ou seja, uma nova forma de economia planejada, deve se tornar um modelo para toda a economia.

Este programa significa o fim da economia de livre mercado e da democracia liberal, assim como do Estado de direito.

Precisamos resistir e nos preparar para uma reconstrução

Este ataque de Merkel e dos globalistas à nossa liberdade e aos nossos direitos civis deve agora ser combatido em conjunto. O ano de 2021 será um ano decisivo. Haverá numerosas eleições estaduais e federais. Este será o momento em que a resistência civil provocará a reviravolta. Queremos, portanto, mobilizar um amplo movimento popular para iniciar a reconstrução de nossa bela pátria. Os cidadãos querem justiça e liberdade, paz e prosperidade para o presente e para o futuro. Vamos lutar por isso.

Depois do governo Merkel e depois da crise da Corona, precisamos de um novo começo, uma reconstrução, inteiramente dentro do espírito de Ludwig Erhard, na época do milagre econômico alemão. Precisamos de mais soberania para nosso país e todos os seus povos, mais segurança jurídica para nossos cidadãos, uma moeda estável e confiável, a redução da burocracia, a redução de impostos e taxas, o fortalecimento das liberdades civis e a restauração da liberdade de opinião e de imprensa. Tudo isso é necessário para que finalmente se tenha uma democracia verdadeiramente funcional novamente.
A redução dos cidadãos à imaturidade ideológica deve finalmente ser detida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui