Insuficiente e medrosa. A nota da CNBB que não mudou nada

0

A Operação Anestesia visa anular a justa reação que se manifestou nas redes sociais contra o texto base da Campanha da Fraternidade de 2021

FratresInUnum.com, 10 de fevereiro de 2021 – Ontem, praticamente no mesmo horário em que o CDB fazia o lançamento do seu último vídeo para mostrar aonde são aplicados os fundos da Coleta do Domingo de Ramos, a presidência CNBB lançou uma pálida nota para tentar estancar a hemorragia da polêmica sobre a CF2021.

Na prática, a nota não mudou absolutamente nada. Não houve nenhum pedido de desculpas nem a exclusão dos textos problemáticos nem muito menos a derrogação do Texto Base. Tudo continua igual ao que estava antes.

A única “novidade” da nota foi o fato de que a presidência se esquivou da autoria do texto e jogou a batata quente nas mãos ecumênicas do CONIC, como se este organismo estivesse realmente interessado em conservar a ortodoxia do catolicismo. É como se o STF responsabilizasse o Fernandinho Beira-mar pela interpretação do Código Penal e dissesse em seguida que tem para com ele alguma discordância.

A responsabilização do CONIC, mesmo assim, foi feita de modo tênue e excessivamente cordato, mantendo-se a união de propósitos e a identidade nos objetivos.

Contudo, não foi apenas o CONIC a ser responsabilizado. A presidência responsabiliza os católicos por compreender o texto sem pressupor a linguagem ecumênica, como se a utilização da ideologia de gênero num documento que visa direcionar a CF fosse uma mera questão de vocabulário. Poderia haver algum fingimento mais ostensivo do que este e uma mais vergonhosa ofensa ao povo fiel?

No final do texto, esclarece-se o motivo de tanta mobilização: não se trata de zelo pela doutrina ou amor às almas, mas preocupação com a tal Coleta de Ramos. “Onde está o teu coração…”

Na nota, a Presidência trata a ideologia de gênero como o único problema do texto, deixando de lado questões sumamente importantes: como uma pastora que defende o aborto pode estar na autoria de um texto a ser usado nas paróquias católicas? Como um texto como este apresenta Lutero como se fosse inspirado pelo Espírito Santo? Como se pode sugerir como ação prática que os fiéis visitem um terreiro de candomblé? Como uma feminista radical e defensora do direito ao aborto, Marielle Franco, pode ser apresentada como modelo aos fiéis? E, sobretudo, como eles podem dizer que a doutrina católica sobre o gênero permanece inalterada se eles mesmos não chegaram sequer a suprimir estes números do documento?

Desgraçadamente, a postura da Presidência da CNBB nesta nota foi a de quem disfarçou que não tem nada a ver com o assunto e quis simplesmente garantir o ingresso do suado dinheiro do povo. C’est tout!

Essas pessoas parecem realmente não acreditar na verdade, mas apenas na explicação, na narrativa. Parece que não existem fatos nem coerência entre as coisas, sendo normalíssimo dizer contradições e disfarçar seriedade, torcendo para que todo mundo creia na encenação.

Insuficiente e medrosa, a nota da Presidência da CNBB é apenas uma desconversa opaca, lengalenga de quem sentiu o baque mas quer dar um jeito de sair de fininho.

—————

FratresInUnum.com, 8 de fevereiro de 2021 – As redes sociais estão em alvoroço: fieis católicos manifestam publicamente o seu repúdio ao escândalo do texto base da CF2021. Por outro lado, começou o corre-corre dos engajados para tentar estancar a sangria. Mas, infelizmente para eles, parece que a tática não vai dar certo, pois não passa de uma tentativa de defender o indefensável. Desta vez, a CNBB deu um passo maior do que a perna.

A tentativa de “abafamento” movida especialmente pelo CNLB – Conferência Nacional dos Leigos do Brasil está seguindo a estratégia da “mudança de assunto”: ou seja, ao invés de discutir o texto-base da Campanha da Fraternidade em si, concentram suas forças no ataque aos debatedores. “Extremistas”, “fundamentalistas”, “reacionários”, “diabólicos” são termos recorrentes nas manifestações destes que se vangloriam de combater “discursos de ódio”. Um exemplo disso é a nota publicada pelo Centro Alceu de Amoroso Lima, e divulgada por bispos através do WhatsApp, que acusa o vídeo do Centro Dom Bosco de ser contra o ecumenismo e o diálogo-interreligioso (ok, meninas; mas o assunto não é este!).

No dia de ontem, Dom Odilo Scherer, cardeal arcebispo de São Paulo, vestiu sua batina frisada (dando uma impressão solene, importante, bem ao estilo de um Cardeal Ottaviani), e gravou um vídeo com a única finalidade de acalmar a calorosa polêmica. Em suma, tentou “limpar a barra” da CNBB, dizendo que o texto (do qual ele muito timidamente, e também com certo medo, tomou distância e disse discordar) foi preparado pelo CONIC – Conselho Nacional de “Igrejas” Cristãs.

Obviamente, a melhor parte do vídeo são os comentários. O povo não está mais dormindo, como gostariam esses senhores.

Pois bem, a pergunta verdadeira é: como é possível que a CNBB endosse um texto base como esse, que adota a linguagem homossexual, que assume dados do Grupo Homossexual da Bahia e ainda atribua a violência contra eles ao “fundamentalismo religioso”? Além de emprestar os fieis católicos e a quaresma para o CONIC (aliás, quem faz a CF são maximamente as paróquias católicas, não as comunidades protestantes), a CNBB está permitindo pacificamente que nós sejamos usados como caixa de ressonância do Movimento LGBT?

Vejam a citação do n. 68 do Texto Base da CF2021:

“Outro grupo social que sofre as consequências da política estruturada na violência e na criação de inimigos, é a população LGBTQI+. O já citado Atlas da Violência de 2020, mostra que o número de denúncias de violências sofridas pela população LGBTQI+ registradas no Dique 100 no ano de 2018 foi de 1685 casos. Segundo dados do Grupo Gay da Bahia apresentados no Atlas da Violência 2020, no ano de 2018, 420 pessoas LGBTQI+ foram assassinadas, destas 210, 64 eram pessoas trans. Percebe-se que em 2011 foram registrados 5 homicídios de pessoas LGBTQI+. Seis anos depois, em 2017, este número aumentou para 193 casos. O aumento no número de homicídio de pessoas LGBTQI+, entre 2016 e 2017, foi de 127%. Estes homicídios são efeitos do discurso de ódio, do fundamentalismo religioso, de vozes contra o reconhecimento dos direitos das populações LGBTQI+ e de outros grupos perseguidos e vulneráveis” — note-se que a sigla LGBTQI+ diz respeito a: lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queers, intersexuais e o + inclui qualquer outro gênero que houver; o termo “queer” vem do inglês e significa “estranho, diferente, bizarro”, e está na base do movimento internacional de gênero, que defende que a construção da identidade de gênero deve ser fluida, ou seja, o normal é ser bizarro.

Os bispos da CNBB estão jogando a Campanha da Fraternidade, sofrível desde sempre, definitivamente no lixo. Eles são os responsáveis por essa desmoralização diante do povo católico.

Não adianta eles tentarem culpar os grupos críticos. Eles precisam bater no peito e assumir a culpa por esse absurdo! Como é que um texto desses foi parar num documento que é a própria base para a Campanha da Fraternidade? Quem fez isso? Quem aprovou isso? Foi a Presidência, foi o Conselho permanente? Estas são as perguntas que se devem fazer e é isso que deve ser enfrentado.

Enquanto não fizerem isso, não adianta os bispos se fazerem de vítimas e apelarem para a sua autoridade de “sucessores dos Apóstolos”, pois, neste caso, são eles que se fazem indignos desta excelsa condição, a qual estão ultrajando pela sua ambiguidade e subserviência às ideologias mais macabras que existem.

Fonte: Fratres in Unum

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui