Informante Biden Tony Bobulinski fornece uma coleção de documentos aos investigadores do Senado

0
foto: Teresa Kroeger / Getty Images.

O informante da família Biden, Tony Bobulinski, forneceu uma coleção de documentos aos investigadores do Senado dos EUA dos Comitês de Segurança Interna e de Finanças do Senado

Bobulinski, o destinatário de um dos e-mails recuperados do laptop de Hunter Biden, veio a público na noite de quarta-feira (21) com uma declaração dizendo que ele confirma sua autenticidade e detalhou como o ex-vice-presidente Joe Biden – o candidato democrata à presidência na eleição deste ano, que está a quase 10 dias de distância – esteve pessoalmente envolvido em muitas negociações com os sócios de negócios de seu filho.

Os documentos que Bobulinski forneceu aos senadores começaram a aparecer em público e foram obtidos por vários jornais.

Neles, mensagens de texto, e-mails e outros documentos ilustram um quadro maior de preocupação em relação aos procedimentos operacionais da família Biden e conexões profundas que o próprio Joe Biden tem com tudo isso.

“Não mencione que o Joe está envolvido, é apenas quando você está cara a cara”, disse o associado da família Biden, James Gilliar – chefe do J2cR – em uma mensagem de texto do WhatsApp que Bobulinski forneceu aos comitês do Senado. “Eu sei que você sabe disso, mas eles são paranóicos.”

Outras mensagens de texto revelam detalhes sobre as negociações entre as autoridades chinesas e a família Biden. Em uma mensagem de texto de 2017, o próprio Hunter Biden diz que um investidor chinês pretendia se tornar seu parceiro para “ser parceiro dos Bidens”.

Oficiais do Senado confirmaram à Fox News e outros meios de comunicação que Bobulinski está cooperando com eles.

Todos os documentos que Bobulinski forneceu aos investigadores do Senado também foram fornecidos aos jornais, incluindo o Breitbart News.

A declaração e cooperação de Bobulinski com os investigadores do Senado parecem ter colocado o escândalo á céu aberto, como o senador Josh Hawley (R-MO) observou na manhã de quinta-feira (22) que o Comitê Judiciário do Senado votou para intimar o Twitter e o Facebook sobre a ação das empresas de tecnologia de censurar a reportagem original do New York Post, que revelou os e-mails do laptop de Hunter Biden. Hawley disse que o comitê não tinha apoio do Partido Republicano suficiente até 24 horas atrás para intimações do Twitter e Facebook, e que tudo parece ter mudado neste último dia.

Fonte: Breitbart News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui