“Infectadura”: denúncia de 300 cientistas argentinos

0
Reprodução/Twitter/alferdez.

O objeto da denúncia é a extensão da quarentena com base em critérios políticos e o modo como está sendo aplicada

Trezentos cientistas, intelectuais e jornalistas denunciaram a manipulação governamental Argentina da quarentena obrigatória para criar uma “Infectadura”, ou ditadura socialista dissimulada de luta contra a epidemia, noticiou a imprensa portenha.

Os cientistas líderes procedem do CONICET (Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas) – o maior instituto científico oficial do país platino.

O principal indiciado é o presidente Alberto Fernández, de tendências chavistas mal dissimuladas. A extensão da quarentena com base em critérios políticos e o modo como está sendo aplicada fornecem a base da acusação.

Texto completo e a lista dos assinantes.

A carta aberta intitula-se “A democracia está em perigo” e diz, entre outras coisas: “Nenhum país estava preparado para a pandemia, mas a primeira reação do Estado argentino foi negar a existência do problema, apesar das advertências de um setor independente da comunidade científica e política”.

Vicentin quarta maior exportadora do agronegócio expropriada pela ‘infectadura’.

Aliás — comentamos —, reação semelhante à do ditador chinês Xi Jinping diante do início da pandemia em Wuhan.

A denúncia ainda afirma que “o presidente Fernández anunciou ter iniciado ‘a hora do Estado’. A frase (…) descreve um fenomenal avanço na concentração do poder para eludir qualquer tipo de controle institucional”.

“Em nome da saúde pública, uma versão aggiornata da ‘segurança nacional’, o governo achou na ‘infectadura’ um relato legitimado por especialistas (…) ignorantes das consequências sociais de suas decisões” — acrescenta o documento.

“Nestes dois meses, houve dezenas de milhares de presos e milhões de punidos em nome de sua própria saúde. (…)

“Estados e cidades que se fecharam como condados medievais. Aulas suspensas, doentes que não podem continuar com seus tratamentos, famílias separadas, mortos sem funerais e, agora, a militarização dos bairros populares”.

“O desdém pelo mundo produtivo não tem precedente com a consequente perda de empregos, o fechamento do pequeno comércio, de empresas e o aumento da pobreza.

“Os créditos (…) e a assistência das pequenas e médias empresas foram táticas publicitárias”, advertem.

Presidente Fernández nega, mas ninguém acredita ele vai no rumo ao precipício de Maduro.

O documento conclui que “a democracia está em perigo. Possivelmente como nunca, desde 1983 [golpe militar].

“O equilíbrio dos poderes foi desmantelado. O Congresso funciona sem continuidade e a Justiça (…) autoexcluiu-se da conjuntura do país”.

Como cientistas, acadêmicos, profissionais e agentes culturais, os signatários manifestam preocupação e apelam para grupos e organizações da sociedade civil, partidos políticos, sindicatos, formadores de opinião e meios de comunicação independentes a fim de redobrar a atitude crítica e vigilante em relação ao poder governamental.

No texto, eles exigem um plano para sair dessa situação anormal. E concluem que a sociedade argentina se mostrou responsável na hora de enfrentar a ameaça da pandemia, cumpriu com as normas, os conselhos sanitários e foi respeitosa da lei e de seus representantes.

É hora de o presidente fazer o mesmo — conclui.

fonte: esta-acontecendo.blogspot.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui