Globalismo: agenda 2030 da ONU

1
Foto: Reprodução/youtube

Plano de ação global para mudar o mundo até 2030

Em setembro de 2015, líderes mundiais e representantes da sociedade civil reuniram-se na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um plano de ação global para mudar o mundo até 2030: A Agenda 2030.

A Agenda é definida como “um plano de ação para as pessoas, o planeta e a prosperidade, que busca fortalecer a paz universal”. O documento indica 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas.

— Este é um plano para governos, sociedade, empresas, academia e para você.

Desde setembro de 2015 o governo brasileiro vem se preparando para a implementação da Agenda 2030 em todo o território nacional, afirma o Plano de Ação (2017-2019) da Comissão Nacional ODS – instância máxima da Agenda brasileira.

“O Brasil avançou de forma preponderante na montagem de uma estrutura de governança que fosse capaz de estabelecer um apoio inicial à caminhada do país até 2030. A chamada Agenda 2030 Brasil se consolidou em 2017 não só com a instalação da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, mas também com a elaboração do Plano de Ação da Comissão para o período 2017-2019”, disse o secretário nacional de Articulação Social da Secretaria de Governo da Presidência da República, Henrique Villa.

Com o novo plano estratégico da Agenda, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), “posiciona-se como uma organização com visão de futuro, pronta para implementar o mandato ambicioso da Agenda 2030”, disse o diretor do PNUD Brasil, Didier Trebucq.

Em maio de 2019 o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) do Brasil, analisou os ODS e apontou avanços e desafios na implementação da Agenda 2030 no país. O resultado da análise encontra-se na Série Cadernos ODS, que trata cada um dos 17 Objetivos firmados durante a Assembleia Geral das Nações Unidas em 2015.

Qual é a finalidade da Agenda 2030?

De acordo com Alexandre Costa, especialista em globalismo, a Agenda 2030 foi criada para submeter os países membros aos padrões adequados à implantação de um futuro governo mundial.

Pode parecer teoria da conspiração, mas não é. Os 17 ODS indicados no plano alcançam praticamente todas as condutas humanas. “Como estão sendo exigidos como contrapartida para a oferta de crédito internacional, os ODS serão enfiados goela abaixo dos países que paulatinamente vão restringir o direito individual e destruir a autonomia das suas empresas e as suas soberanias nacionais”, afirmou o especialista.

Objetivos da Agenda 2030 decodificados

Alexandre Costa apresentou em seu site uma “decodificação” dos 17 ODS expressos na Agenda, dos quais apresentaremos cinco.

Objetivo 1: Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

Decodificação: Colocar todos no sistema de previdência do governo, dê vale-refeição, subsídios à habitação e doações que os tornem escravos obedientes ao governo global. Nunca permita mobilidade para a ascensão social das pessoas. Em vez disso, ensine a vitimização em massa e a obediência a um governo que ofereça “mesadas” para necessidades básicas como alimentos e remédios. Rotule isso como “combate à pobreza”.

Objetivo 2: Acabar com a fome, alcançar segurança alimentar e melhoria da nutrição, e promover a agricultura sustentável.

Decodificação: Invadir todo o planeta com alimentos transgênicos e as sementes patenteadas da Monsanto, enquanto há aumento do uso de herbicidas mortais sob a falsa alegação de “aumento da produtividade” de culturas alimentares. Projetar plantas geneticamente modificadas para impulsionar produtos químicos vitamínicos específicos, sem ter ideia das consequências a longo prazo da contaminação genética ou de experimentos genéticos entre espécies realizados abertamente em um ecossistema frágil.

Objetivo 3: Garantir uma vida saudável e promover o bem-estar para todos, em todas as idades.

Decodificação: Autorizar mais de 100 vacinações obrigatórias para todas as crianças e adultos, ameaçando os pais com detenção e prisão caso se recusem a cooperar. Obrigar o uso intenso de medicação em crianças e adolescentes, enquanto programas de “diagnóstico” são executados. Chame a medicação em massa de programas de “prevenção” e afirme que ela melhora a saúde dos cidadãos.

Objetivo 4: Garantir educação inclusiva, equitativa, de qualidade e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos.

Decodificação: Empurrar uma história falsa e uma educação abaixo dos padrões, ou seja, de “base comum,” que produza trabalhadores obedientes ao invés de pensadores independentes. Nunca deixar as pessoas aprenderem a história real, senão elas podem perceber que não querem repeti-la.

Objetivo 5: Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

Decodificação: Criminalizar o Cristianismo, marginalizar a heterossexualidade, demonizar os homens e promover a agenda LGBT em todos os lugares. O objetivo real nunca é “igualdade” mas a marginalização e a humilhação de qualquer pessoa que expresse qualquer característica masculina. O objetivo final é feminizar a sociedade, criando ampla aceitação da “obediência gentil” junto com as ideias fragilizantes de propriedade comunitária e “compartilhamento” de tudo. Tendo em vista que apenas a energia masculina possui a força para se levantar contra a opressão e a lutar pelos direitos humanos, a supressão da energia masculina é fundamental para manter a população em um estado de conformação eterna.

As decodificações são fruto do trabalho de Mike Adams (“The United Nations 2030 Agenda decoded: It’s a blueprint for the global enslavement of humanity under the boot of corporate masters”. Natural News, 4 de Setembro de 2015). 

Artigo original de Mike Adams.

Fonte: Agenda2030.org; Cnm.org; PNUD Brasil Escritoralexandrecosta.com

1 Comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui