Garçonete foi demitida em Nova York por não receber vacina COVID devido aos riscos associados a fertilidade

0
foto: William C. Lopez / NYPOST.

Bonnie Jacobson foi demitida da Red Hook Tavern por não ter sido vacinada contra o COVID-19 até saber como isso afetaria suas chances de engravidar

Uma garçonete de Nova York foi demitida de um restaurante popular no Brooklyn após decidir não tomar a vacina COVID-19 por medo de que isso pudesse prejudicar suas chances de engravidar.

Bonnie Jacobson, 34, disse ao The Post que a gerência da Red Hook Tavern a despediu na segunda-feira (15) porque ela hesitou em receber a injeção imediatamente.

“Foi chocante para mim”, disse ela.  Jacobson, que está casada desde outubro de 2019, ressaltou que ela não é anti vacina e “apoia totalmente” as pessoas que estão sendo inoculadas, mas disse que deseja esperar por mais pesquisas sobre os possíveis efeitos da vacina contra o coronavírus na fertilidade.

A gerência do movimentado restaurante do Brooklyn enviou e-mails aos funcionários afirmando que a vacina seria “obrigatória” para todos os funcionários.

A única exceção à política seria “Se sua própria saúde ou deficiência o proibir de obter esta vacinação”.

Jacobson, que começou a trabalhar no restaurante em agosto depois de ser demitida de um outro emprego no início da pandemia, respondeu que estava “escolhendo não tomar a vacina porque simplesmente não há dados ou pesquisas suficientes neste ponto em seus efeitos sobre a fertilidade.”

“Assim que houver mais pesquisas para sustentar que isso não afeta a fertilidade, eu reconsideraria minha posição”, escreveu ela.

Mas na segunda-feira, depois de ter trabalhado em um turno de 13 horas no domingo para o Dia dos Namorados, Jacobson soube que estava sendo chutada por causa de sua escolha.

A gerência da taverna escreveu para ela dizendo que, embora respeitasse sua escolha, era necessário obter a injeção e que “neste momento, seu emprego será encerrado”.

“Estamos tristes com sua partida”, dizia o e-mail. “Se mudar de ideia, não hesite em nos informar.”

Jacobson disse que ela se sentiu surpreendida.

Ela observou que trabalhou duro para ir ao restaurante durante a pandemia e aprendeu a se adaptar às restrições do coronavírus, como trabalhar ao ar livre “no frio congelante”.

“Tenho andado com eles”, disse ela. “Eu esperava encontrar a mesma flexibilidade e compaixão.”

Fonte: nypost

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui