Forum Econômico Mundial celebra cidades vazias e economia destruída como um sucesso

0
Foto: captura de tela do Twitter.

Bofetada na cara dos empresários

Por Alina Adair

O Fórum Econômico Mundial (WEF) não faz segredo de que deseja salvar o planeta. O problema aos seus olhos é o homem com toda a sua poluição e a atividade industrial. Enquanto vários empresários temem por suas vidas e se submetem aos lockdowns, o WEF publicou um artigo com vídeo no dia 22 de fevereiro, que mostram claramente para onde o “novo normal” deve ser direcionado. Centros de cidades vazios, economias arruinadas, pessoas que se suicidam por desespero, tudo isso é um primeiro sucesso do Grande Reset aos olhos do Fórum Econômico Mundial. A atitude desumana dos globalistas dificilmente pode ser mostrada com mais clareza do que em um vídeo em que se celebra que o planeta ficará livre do vírus humano.

Para os participantes do Fórum Econômico Mundial, o homem é o vírus do qual o planeta deve ser curado. Os autoproclamados salvadores da terra elogiam como os lockdowns são bons para o meio ambiente. Eles escrevem com entusiasmo que os “lockdowns reduziram significativamente a atividade humana e seu impacto na crosta terrestre”, resultando no “período mais silencioso e calmo do planeta em décadas”. Eles até celebram a redução do ruído ambiente em 50% como um sucesso, embora a maioria dos empresários à beira da falência provavelmente estejam chorando amargamente em suas casas.

Graças à redução de ruído, os pesquisadores puderam registrar vibrações na crosta terrestre pela primeira vez em 2020 que, de outra forma, nunca teriam sido registradas. Um grupo internacional de sismólogos de 33 países apresentou no Fórum o seu trabalho durante o lockdown e informou que notou uma diminuição no chamado ruído ambiente de viajantes e fábricas. O WEF observou com satisfação que, sem viagens e fábricas, terremotos irrelevantes podem ser detectados, que de outra forma passariam despercebidos. Será que não teremos mais permissão para viajar no futuro para que os sismólogos possam fazer seu trabalho? As fábricas não podem reabrir porque os arrogantes membros do WEF preferem o silêncio? Tendo em vista o projeto do Grande Reset, podemos muito provavelmente responder a ambas as perguntas com “sim”.

O WEF, que sempre finge querer apenas fazer o bem, vê as pessoas como um vírus que precisa ser combatido. Eles fingem querer salvar a África e todos os outros países pobres, mas não têm empatia ao ver a tragédia dos atuais meios de subsistência que estão sendo destruídos.

Engana-se quem pensa que o WEF está instalado em Davos e não tem nada a ver conosco. Já temos relatado repetidamente que o Fórum Econômico Mundial está agora implementando a ideia do Grande Reset concebida por Klaus Schwab. Os lockdowns impostos por causa do coronavírus, desde o início da chamada pandemia, serviram apenas para o Grande Reset. Este  plano de Schwab permite a restrição dos direitos fundamentais em todas as democracias e o objetivo é a abolição do capitalismo e o estabelecimento de um governo mundial. Quem espera no lockdown que as restrições sejam depois levantadas ou atenuadas e venha a receber autorização para reabrir, irá à falência, isto é tão certo como o Amém na igreja.

Os membros do WEF planejaram tudo com precisão e não só observam como ocorre a destruição deliberada da economia nos países até agora industrializados, como também ouvem música clássica enquanto consideram como um êxito a destruição gradual e deliberada do mundo ocidental. O Fórum Econômico Mundial, juntamente com a Agenda 2030 da ONU, abriram o caminho para a destruição do nosso futuro. A suspeita é que o chanceler austríaco Sebastian Kurz, o seu  ministro da Saúde Rudolf Anschober, Angela Merkel, Macron, Boris Johnson e muitos outros líderes dos países nos quais há o lockdown, se deixam “persuadir” com as supostas vantagens desses bloqueios, e estão agora impondo esta agenda aos seus países contra a vontade de suas populações.

Se Kurz fosse honesto, ele diria ao povo o que está por vir. Kurz também, como todos os outros que usam o distintivo multicolorido da Agenda 2030 da ONU e do WEF nas suas lapelas, parece estar impulsionando a agenda do Grande Descanso. Quando é que o Judiciário vai finalmente acordar?

Adendo: nesse ínterim, até o WEF notou que eles foram longe demais e retiraram o vídeo e o texto do Tweeter. Assim: “Estamos excluindo este tweet. Os lockdowns não estão ‘silenciosamente melhorando as cidades’ em todo o mundo. Mas eles são uma parte importante da resposta sanitária à COVID-19.”

Fonte: Wochenblick

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui