Ernesto Araújo diz que China tem que pedir desculpa para o Brasil

0
Créditos: Rafael Carvalho/Governo de Transição / Divulgação

O ministro de Relações Exteriores respondeu às críticas do embaixador da China no Brasil, diante das ofensas proferidas por Eduardo Bolsonaro

Fonte: congressoemfoco.uol

O ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, respondeu às críticas do embaixador da China no Brasil, diante das ofensas proferidas pelo filho do presidente e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Para Ernesto, o embaixador chinês precisa pedir desculpas ao Brasil. Na última quarta (18), Eduardo responsabilizou o maior parceiro comercial do Brasil pela pandemia do coronavírus.

A Embaixada da China no Brasil reagiu de maneira dura aos ataques feitos pelo filho do presidente Jair Bolsonaro e disse que o episódio terá consequência na relação entre os dois países.

“As suas palavras são extremamente irresponsáveis e nos soam familiares. Não deixam de ser uma imitação dos seus queridos amigos. Ao voltar de Miami, contraiu, infelizmente, vírus mental, que está infectando a amizades entre os nossos povos”, escreveu o perfil oficial da embaixada.

O embaixador Yang Wanming usou sua conta pessoal para cobrar de Eduardo que “retire suas palavras imediatamente” e peça desculpas ao povo chinês. Adiantou, ainda, que vai manifestar sua indignação junto ao Itamaraty e à Câmara dos Deputados.

A China puxou o resultado do superávit brasileiro em 2019. Entre janeiro e outubro do ano passado, o saldo da balança comercial foi de US$ 34,9 bilhões. Desse total, US$ 21,4 bilhões vieram de negócios com chineses, conforme o Indicador do Comércio Exterior (Icomex), da Fundação Getulio Vargas (FGV).

“A atitude não condiz com a importância da parceria estratégica Brasil-China e com os ritos da diplomacia. Em nome de meus colegas, reitero os laços de fraternidade entre nossos dois países. Torço para que, em breve, possamos sair da atual crise ainda mais fortes”, afirmou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que entrou em campo para tentar apaziguar essa crise.

Porém, com o tom imposto pelo representante do Itamaraty, a tendência é de que a crise se aprofunde.

Veja a íntegra da resposta de Ernesto Araújo

“É inaceitável que o Embaixador da China endosse ou compartilhe postagem ofensiva ao Chefe de Estado do Brasil e aos seus eleitores, como infelizmente ocorreu ontem à noite.

As críticas do deputado Eduardo Bolsonaro à China, feitas também em postagens ontem à noite, não refletem a posição do governo brasileiro.

Cabe lembrar, entretanto, que em nenhum momento ele ofendeu o Chefe de Estado chinês. A relação do Embaixador foi, assim, desproporcional e feriu a boa prática diplomática.

Já comuniquei ao Embaixador da China a insatisfação do governo brasileiro com seu comportamento. Temos expectativa de uma retração por sua postagem ofensiva ao Chefe de Estado.

O Brasil quer manter as melhores relações com o governo chinês, promover negócios e cooperações em benefício recíproco, sem jamais deixar de lado o respeito mútuo.

Conversarei com o deputado Eduardo Bolsonaro e com o embaixador da China, procurando promover um reentendimento recíproco”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui