Dom Athanasius Schneider: “Os cristãos devem recusar a vacina COVID derivada de bebês abortados, mesmo que isso signifique martírio”

0

“Este é para mim o último passo do satanismo: que Satanás e o governo mundial – finalmente o governo maçônico mundial – obrigarão todos, mesmo a Igreja, a aceitar o aborto desta forma. E, portanto, devemos resistir muito fortemente contra isto, se vier”.

Dom Athanasius Schneider, bispo auxiliar de Astana, no Cazaquistão, esteve na França para uma breve visita no final de setembro. Lá ele respondeu algumas perguntas feitas pelo jornal americano Life Site News sobre a atual crise da COVID-19. Para o futuro, Dom Schneider suspeita que, de alguma forma, todos os governos e todas as pessoas serão solicitados a colaborar com o aborto através da administração obrigatória de vacinas usando células retiradas de bebês abortados.

“Não estou afirmando agora que isso vai acontecer, mas é minha suspeita: me parece realista que isso possa acontecer. Esta é para mim a última etapa do satanismo: que Satanás e o governo mundial – em última análise, o governo maçônico mundial – obrigarão todos, até mesmo a Igreja, a aceitar o aborto dessa forma. E, portanto, devemos resistir fortemente contra isso, se vier. Devemos até aceitar ser mártires ”, disse Dom Schneider.

Na França, agora é obrigatório usar máscaras em todos os locais confinados e abertos ao público, no local de trabalho, nas igrejas e nos transportes públicos, e no exterior em alguns centros urbanos, e até mesmo em cidades inteiras (às vezes incluindo seus subúrbios rurais) como Paris, Rennes, Bordeaux, Lyon e Nice, independentemente de estar cercado por pessoas ou completamente sozinho.

Uma “escravidão”  está sendo posta em prática por meio de medidas “absurdas” que até impedem as pessoas de usarem sua própria razão, disse o bispo.

Falando em máscaras de rosto obrigatórias, o Bispo Schneider disse: “O sinal exterior da máscara que toda a população tem que usar é desproporcional. É um sinal exterior que toda a população é submetida, e que aqueles que nos governam têm agora em suas mãos toda a população, realmente como escravos obedientes e marionetes”. Isto é muito perigoso e deve nos causar profunda preocupação”.

O bispo Schneider disse que teme que a pandemia da COVID-19 esteja sendo usada como um passo em direção a “Um governo mundial” através do “controle” em uma situação que ele não hesitou em comparar com sua própria experiência como um garoto sob o domínio soviético. Ele sublinhou especialmente o grau de ateísmo que está sendo alcançado pela preocupação exclusiva com as realidades corporais.

Ele exortou os católicos a não só rezar e unir-se a todos aqueles que se levantam contra o absurdo das medidas que vão além da higiene correta e normal em uma situação de epidemia, mas também a testemunhar a verdadeira esperança de vida eterna: “Ainda há uma vida eterna: não entrem em pânico em suas preocupações que dizem respeito apenas à vida temporal! Devemos dar uma visão até mesmo de esperança e confiança, de que estamos nas mãos de Deus. Agora o governo está dizendo: você está em nossas mãos, completamente, nós o estamos protegendo. Isto é muito perigoso”, disse o bispo Schneider.

Ele também pediu aos fiéis católicos que continuem a Cruzada Eucarística que ele lançou em julho passado, a fim de reparar todos os “ultrajes” contra o Santíssimo Sacramento que a crise da COVID trouxe consigo.

Abaixo está a entrevista completa do Bispo Athanasius Schneider. Foi gravada no dia 29 de setembro, festa de São Miguel Arcanjo.

Excelência, você já respondeu a entrevistas sobre a situação sanitária atual, que você chamou de “ditadura sanitária”. Por que você acha que é uma ditadura enquanto se apresenta como favorável à saúde e ao bem-estar das pessoas?

Porque é evidente. Temos que usar nossa razão e nosso bom senso. Nunca na história recente aconteceu tal situação onde globalmente, em quase todos os países, com muito poucas exceções, todos têm que observar as regras de comportamento exterior com muito rigor, mesmo sob ameaças de punições. Até certo ponto, o que era óbvio está agora provado após o primeiro período da COVID no início deste ano: está provado que as vítimas e as doenças não eram maiores em comparação com as epidemias de gripe em outros anos. Portanto, você tem que se perguntar, por que os governos nos anos anteriores, quando em alguns casos houve também algumas fortes epidemias de gripe, não fizeram as mesmas regras? Por exemplo, houve uma epidemia de gripe muito forte na Alemanha há dois anos, e os números oficiais publicados pelo governo foram 20.000 vítimas. Agora neste ano, o mesmo nível não foi alcançado, pelo menos na Alemanha, com a COVID. Estes são os fatos simples, as evidências.

Não nego a epidemia da COVID, ela existe, mas você tem que se perguntar por que eles fizeram isso agora, e é evidente que eles usaram uma epidemia que não está superando as epidemias anteriores de gripe para impor medidas tão desproporcionais a toda a população, para que você tenha a sensação de que está vivendo em uma espécie de prisão, ou em uma espécie de escravidão. Estamos até mesmo nos detalhes onde o governo prescreve onde você tem que ficar, a distância que você tem que manter, mesmo os centímetros; você tem que cobrir seu rosto continuamente, mesmo que seja provado por vários cientistas, estudiosos e médicos independentes, que estas máscaras não são tão eficientes na prevenção deste tipo de doença.

Desta forma, o sinal exterior da máscara que toda a população deve usar é desproporcional. É um sinal exterior de que toda a população está submetida, e que quem nos governa tem agora nas mãos toda a população, realmente como escravos obedientes e marionetes. Isso é muito perigoso e deve nos preocupar profundamente, porque é um sinal para os políticos das medidas futuras que eles podem produzir ou inventar em situações semelhantes a pretexto de uma doença, uma epidemia. É um sinal de que agora as pessoas já estão treinadas, para que em um momento possam calar literalmente a boca de toda a população e mantê-los em suas casas, trancados, para que façam o que quiserem.

Este é realmente um sinal evidente de ditadura global que está indo na direção de um governo mundial, do qual já tivemos vários depoimentos e testemunhas alguns anos atrás. Uma personalidade famosa do mundo das finanças disse que seria suficiente ter uma epidemia e espalhar isso globalmente para estabelecer um governo mundial.

[Nota do tradutor: o financeiro francês, conselheiro dos sucessivos governos franceses e mentor do presidente Emmanuel Macron, Jacques Attali, alertou em 2009, por ocasião da gripe H1N1, sobre uma “grande pandemia” num futuro previsível:”. “Antes da próxima, inevitável, não podemos esquecer de colocar em prática mecanismos de prevenção e controle, bem como procedimentos logísticos para a distribuição justa de medicamentos e vacinas”. Para isso, será necessário estabelecer uma polícia global, estoques globais e, portanto, um sistema tributário global. Chegaremos então a lançar, muito mais rapidamente do que a mera razão econômica teria permitido, as bases de um governo mundial autêntico”].

Já tínhamos essas afirmações antes da COVID-19, mas talvez nesses anos não tenhamos prestado tanta atenção. Mas agora temos isso e acho que temos que defender nossos direitos. Claro que temos que ser prudentes e quando há um contágio, temos que nos comportar de maneira normal, responsável, mas não até o ponto atual, o que já está realmente demonstrando que é além da normalidade.

Há poucos dias a ministra do esporte da França, Roxana Maracineanu, disse publicamente: “Hoje as decisões não estão sendo tomadas de acordo com a realidade que seria a da circulação do vírus… mas para dizer que você deve permanecer disciplinado como está”.

Isso é muito revelador: eles estão confessando que não é tanto eficiência para a saúde que desejam em primeiro lugar, mas controle, para nos submetermos a um código de conduta.

Quando menino, você viveu no Quirguistão e sob o domínio soviético. Você vê um paralelo entre o que você passou naquela época e o que vivemos hoje?

Claro. Na época do comunismo, lembro-me muito bem: tudo era comandado pelo governo. Não na extensão que temos agora, é pior agora do que sob o comunismo, evidentemente, mas toda a vida pública tinha um padrão, um código. Portanto, você já era muito limitado em seu modo de vida. Você não podia se opor a nada disso, sem ser acusado de ser um negador do comunismo; quando você expressou algumas dúvidas, foi acusado de conspiração com o Ocidente capitalista, de espionagem. De alguma forma, você foi marginalizado como uma pessoa que não era mentalmente saudável. Sabia-se até que vários dissidentes contra a ditadura comunista eram colocados em clínicas para os doentes mentais.

E assim posso imaginar que hoje pode haver uma forte resistência às medidas desproporcionais de limitação da liberdade pessoal a pretexto da saúde, e que essas pessoas possam ser acusadas de negação, semelhante à negação do Holocausto por exemplo. Eles serão acusados ​​de conspiração, como os comunistas fizeram em relação aos que eram contra os comunistas. Essas pessoas foram acusadas de conspiração e também de negação do paraíso comunista. Marx, Engels e Lenin disseram: “Vamos realizar” o paraíso comunista; e Lenin chegou a dizer que a União Soviética estava realizando o Paraíso, mas era tudo o contrário: estava cheia de prisões e campos de concentração. Este era o chamado Paraíso e todas as pessoas viviam com medo de alguma forma.

Lembro-me, por exemplo, dos meus pais: eram contra o comunismo claro, mas às vezes até conosco, os filhos, eram muito cuidadosos, porque quando crianças falávamos na escola e as coisas podiam ser piores para nós e para eles. Eles viviam em tal situação de intimidação, de controle. E essa sensação de que eram controlados, eu tinha isso claramente. Lembro-me de ter deixado a União Soviética quando eu tinha 12 anos e meio, então posso me lembrar bem disto: a sensação de que você estava vivendo sob controle.

E é exatamente isso que está acontecendo agora.

Agora estamos totalmente controlados, mas é pior porque essas medidas, eu diria, estão nos tornando estúpidos. Os governos estão nos deixando loucos. Este é um método de ditadores: para fecharmos nossa inteligência, para desligarmos o nosso pensamento, mesmo contra as evidências.

Por exemplo, é realmente incrível o quanto já estamos acostumados com essa situação insana. Eu estava voando de Viena para Zurique na semana passada. Era um avião pequeno, então estávamos todos sentados ombro a ombro; o vôo estava lotado. A aeromoça fez um anúncio – é incrível, você vai rir disso: “Gostaria de lembrar que você deve sempre usar a máscara e manter uma distância de 1 metro e meio com os demais convidados, e também com os comissários. ” Depois, vieram trazer-nos bebidas. Era completamente ridículo e absurdo: distanciar-se um metro e meio enquanto estávamos sentados ombro a ombro. E ninguém riu. Todos aceitaram isso como algo normal. Isso me impressiona muito: as pessoas estão começando a aceitar o absurdo como normal. Isso é uma espécie de lavagem cerebral: você está se acostumando com um absurdo evidente.

Você disse que é normal aceitar uma medida razoável contra o contágio, por exemplo, para alguém que é frágil, mas você acha que ainda há tempo para resistir a estas medidas absurdas?

Temos que resistir, porque ainda temos nossa razão. Temos que conciliar medidas razoáveis ​​de higiene e segurança com a própria razoabilidade; temos que enfatizar isso. Na Alemanha, por exemplo, em Berlim, houve recentemente uma grande manifestação contra essas medidas absurdas, e toda a mídia, as agências de notícias oficiais chamaram os manifestantes de “negadores”, loucos ou Corona-leugner , como são chamados as pessoas que negam o Holocausto Holocaustleugner .

Quando você lê Gênesis, percebe que há muitas coisas nos Mandamentos que Deus nos deu na Criação que estão sendo atacados frontalmente hoje pela cultura da morte: a vida humana através do aborto, casamento, família, mas também me parece que Deus diz: “Não é bom que o homem esteja só.” Tenho a impressão de que com as novas restrições do COVID a ideia é obrigar as pessoas a ficarem sozinhas. Você concorda com isso?

Exatamente. É para isolar as pessoas umas das outras, de modo que nos tornemos suspeitos uns dos outros; para que quando conheço outra pessoa já tenho uma desconfiança porque ela pode ser um perigo potencial para mim, para a minha saúde. Portanto, você sofre uma lavagem cerebral contínua da mídia: tenha cuidado, você pode estar infectado e isso pode vir de uma pessoa que você conhece. Isso cria uma distância psicológica.

A expressão distância social não é boa, porque estamos nos distanciando; o termo para mim já é perigoso porque está criando pessoas isoladas e tornando-as mais egoístas: “Só por mim, estou vivendo para mim, para minha saúde”. Todos esses sinais como você mencionou, mostram que estamos indo contra os Mandamentos de Deus. Para mim, a raiz da cultura da morte, e também de ir contra os Mandamentos Divinos, é o egoísmo. Cada violação dos Mandamentos de Deus, especialmente o muito importante 5º, 6º e 1º mandamentos – “não adore ídolos” – torna as pessoas mais egoístas, cria egoísmo e isso contribui para a pior sociedade: uma sociedade de egoístas. Este é o perigo que vejo.

E é sob o pretexto de “solidariedade”.

Sim, é tudo mentira. Estamos vivendo em uma sociedade de mentiras e, portanto, as pessoas que ainda usam sua razão, mesmo os descrentes, devem se unir para protestar contra os perigos evidentes de uma ditadura.

Eu estava na Bretanha durante o bloqueio. Nosso supermercado local tinha uma grande placa do governo dizendo que estes são tempos difíceis e fornecia os números de telefone se você precisasse de contracepção ou aborto. Ao mesmo tempo, as igrejas foram fechadas e ainda existem restrições às igrejas, embora alguns sejam contra elas. Você acha que há uma dimensão anticatólica particular nessa ditadura sanitária?

Anti-católico sim, mas em geral, é anti-religioso porque fecharam todos os outros lugares também. Existe uma tendência para o ateísmo e esta é para mim a última fase do comunismo, o ateísmo final. Eles estão eliminando completamente da sociedade todos os aspectos da religião.

Especialmente as “últimas coisas?”  Eles desapareceram.  Agora, o único bem é viver.

Sim, as últimas realidades. É tudo sobre a vida corporal, temporal. E, infelizmente, tantos pastores na igreja – padres e bispos e até mais alto – estão apoiando fortemente esta tensão unilateral no corpo e esta vida curta e temporária. É um naturalismo. Mencionei isso em meu livro: esse é o grande perigo de nosso tempo. Estamos agora a testemunhar, também dentro da Igreja, essa colaboração com este naturalismo extremo, eliminando toda visão e visão da vida sobrenatural, da vida eterna. Temos que restaurar o sobrenatural na Igreja e dar às pessoas – novamente, isso é para nós e para a Igreja um desafio dentro da crise da COVID – transmitir às pessoas uma visão da Eternidade. Ainda existe uma vida eterna: não entre tanto em pânico nas suas preocupações que dizem respeito apenas à vida temporal! Devemos dar uma visão de esperança e confiança, de que estamos nas mãos de Deus. Agora o governo está dizendo: você está em nossas mãos, completamente, nós o protegemos. Isso é muito perigoso.

Você disse que temos que resistir com nossa razão. Como católicos, o que devemos fazer? Obviamente, devemos recorrer à oração, mas há algo específico que você acha que devemos fazer?

Há alguns meses, lancei uma Cruzada de reparação eucarística. Isso é para mim muito importante e ainda deve ser feito e continuado, porque neste tempo de restrição da COVID, nosso Senhor na Eucaristia foi profanado e ainda pior: ultrajado. E por isso temos que consolá-lo e reparar. Isso é algo importante. E então, devemos também mostrar um pouco de coragem para ser, mesmo quando vamos à igreja, mais normais; em vez de mostrar na igreja que estamos observando a nova escravidão que o Estado está nos impondo. Claro, repito, até na igreja podemos observar medidas como a desinfecção: isso é bom de uma forma normal, desinfetar os bancos, por exemplo, mas não de forma exagerada.

Acho que poderíamos também, como católicos, fazer uma coalizão, mesmo com pessoas não católicas de outras religiões, mesmo pessoas seculares, para dar passos inteligentes com as autoridades para mostrar pelo menos o absurdo atual, e dizer que não estamos prontos para ser realmente escravizados e submetidos a uma lavagem cerebral e tratados como pessoas tolas.

Então: reparação, comporte-se normalmente – é claro, repito que as normas higiênicas normais estão bem – e faça uma coalizão e aja nas formas legais, sem violência, mas com razão e talvez com a ajuda de juristas, cientistas e assim por diante, para mostrar ao governo e à população que existem sinais evidentes de absurdo e de escravidão.

Talvez eu esteja errado, mas tenho a suspeita de que em parte esta situação da COVID foi criada não apenas para implementar uma nova ditadura e controle da população, mas de alguma forma para legalizar o aborto globalmente – a matança de bebês por nascer – para que todo o planeta esteja colaborando no processo de matança de bebês por meio da vacina que utilizará partes de bebês abortados. A vacina será imposta e obrigatória – para que não se possa trabalhar, viajar, ir à escola sem ela, obrigando toda a população a receber a vacina, mas a única vacina será aquela feita com células de bebês abortados. Talvez não aceitem outras vacinas, e mentirão, dizendo que estas não são eficazes, que a única vacina eficaz será a dos bebês abortados. Não estou afirmando agora que isto vai acontecer, mas é minha suspeita: parece-me realista que isto poderia vir. Este é para mim o último passo do satanismo: que Satanás e o governo mundial – finalmente o governo maçônico mundial – obrigarão todos, mesmo a Igreja, a aceitar o aborto desta forma. E, portanto, devemos resistir muito fortemente contra isso, se vier. Temos até mesmo que aceitar ser mártires.

Infelizmente, alguns bispos, mesmo bons bispos e padres, já estão apresentando o que para mim é um sofisma ao justificar que você pode aceitar esta vacina de bebês abortados de acordo com princípios morais. Eles estão dando uma grande explicação, para mim de uma maneira sofística, do princípio da cooperação moral apenas, sem sua vontade, sem seu consentimento. Mas isso é para mim um sofisma que não pode ser aplicado a este caso concreto, porque é evidente para o simples senso comum que quando você sabe disso – que esta vacina é de bebês abortados – então você não pode aplicar este princípio moral, ou teoria, a neste caso concreto. E, portanto, devemos ter muito cuidado para não ser induzidos ao erro por causa desse argumento sofístico, mesmo quando vem de bons padres tradicionais. Esse é o perigo e temos que resistir a isso.

Mas espero que isso não aconteça em nível global. Quando isso acontecer, entraremos no tempo do Apocalipse. Num tempo de Apocalipse, do qual já temos alguns sinais, devemos invocar cada vez mais os anjos, São Miguel Arcanjo, e a mensagem de Nossa Senhora de Fátima que se torna cada vez mais oportuna e necessária.

Em seu último livro, Christus Vincit , você tem um capítulo muito bonito sobre os Anjos. Eu estava traduzindo essa parte do seu livro para o francês durante o bloqueio e pensei: “Estou confinado, não posso ir à igreja, não posso pedir ao meu anjo da guarda para ir à igreja por mim?”

Claro, esta é uma observação muito boa. Os anjos são os seres sobrenaturais por excelência . Devemos invocá-los mais. Em algumas ocasiões quando não podemos ir à missa – e não sabemos como será o futuro, talvez haja novos bloqueios e talvez tenhamos que nos acostumar com eles – então podemos enviar nosso anjo da guarda à igreja, para saudar e adorar a Nosso Senhor em nosso nome. Também podemos enviar nosso anjo da guarda aos nossos amigos ou parentes e orar para que ele lhes traga alguma ajuda espiritual. Em geral, podemos invocar os santos Anjos para proteger a humanidade – como nos lembramos hoje, na festa de São Miguel e todos os Santos Anjos.

Fonte: Life Site News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui