Cuba: dados mostram possíveis casos não relatados de Covid-19

0

Aumento de doenças respiratórias agudas no país pode ter relação com milhares de casos não relatados do novo coronavírus

Um aumento de doenças respiratórias agudas em Cuba pode estar relacionado a milhares de casos não relatados do vírus do PCC, segundo dados oficiais e um relatório recente do El Nuevo Herald.

Os dados que mostram o aumento dessas doenças são encontrados nos boletins epidemiológicos semanais publicados pelo Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (IPK), entidade científica cubana, cujos dados provêm de um sistema desenvolvido pelo Ministério da Saúde do regime Cubano.

Nos dados consultados no boletim No.11 (pdf), sob o título de Doenças compulsórias selecionadas (EDO), até 14 de março, o número total de doenças respiratórias agudas era de 98.041 – um número muito semelhante ao da mesma data do ano passado, que foi de 98.447.

No entanto, para o boletim n° 12 (pdf) que conta os casos até 21 de março, o número sobe para 144.095, o que significa um aumento de 46.054 casos em uma semana. Além disso, o número é 50% maior nos casos registrados na mesma semana de março de 2019.

Embora o IPK não tenha publicado um boletim n° 13, o Nuevo Herald observou que havia outros 188.816 casos, de acordo com o “total acumulado” reportado para 2020 nos boletins n° 12 e 14.

Cuba relatou somente 25 casos em março

Para especialistas, este aumento surpreendente nos casos de doenças respiratórias pode incluir casos não relatados de Covid-19. Ao mesmo tempo, mostraria uma grande diferença em relação aos números oficiais relatados pelo regime cubano, que confirmaram 25 casos de Covid -19 em 21 de março.

“É muito provável que muitas pessoas em Cuba tenham o vírus em março e tenham sido contadas simplesmente como [casos de] doenças respiratórias agudas”, disse o diretor do Programa de Medicina do Viajante da Universidade Internacional da Flórida (FIU), Aileen Marty, para o Nuevo Herald.

O especialista confirmou que esse aumento não só poderia ser explicado pelo surto do vírus do PCC, como também “provavelmente reflete o surto da Covid-19, dependendo de quando ele começou”.

Por outro lado, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), observou em seu relatório sobre a gripe da semana epidemiológica nº 11, datada até 20 de março, descartou que a gripe era a razão do aumento de casos de doenças respiratórias.

O El Nuevo Herald também informou que, com base nesse relatório, o regime cubano parou de fornecer informações aos relatórios semanais da OPAS. A porta-voz da OPAS, Ashley Baldwin, observou que o aumento de doenças respiratórias a partir de março se deveu à “investigação ativa de pessoas com sintomas respiratórios, realizada por serviços de atenção primária à saúde que procuram casos de Covid -19″.

“No entanto, a Covid-19 foi descartada na maioria desses casos”, acrescentou.

O Herald argumentou que naquela época o regime cubano não tinha capacidade para realizar testes para identificar infecções e que Baldwin não esclareceu se a OPAS realizou uma verificação independente.

“Todas as evidências disponíveis”, disse Marty, “refletem um grande surto de COVID-19 em Cuba que se tornou evidente na semana que termina em 21 de março”.

Cuba registrou 1.668 casos confirmados do vírus do PCC e 69 mortes por esse vírus, segundo o mapa da Johns Hopkins.

Número é questionável por condições de vida no país

No entanto, Antonio G. Rodiles, físico e matemático cubano, destacou que o baixo número de infecções por COVID-19 oferecidos pelo regime da ilha eram questionáveis ​​devido às condições de vida, à impossibilidade de isolamento social e à decisão tardia de tomar uma ação.

Ele também destaca que a população cubana tem uma predisposição à COVID-19 “devido à sua composição demográfica e condições como diabetes, hipertensão, má nutrição, entre outras”. Segundo um gráfico elaborado por Rodiles, uma estimativa do total de infecções até 26 de abril deveria ser superior a 9.600.

“Questionar as informações oferecidas pelo sistema é um exercício básico. Especialmente com as ambiguidades que os números oficiais mostraram. Não fazer isso mostra a mão pesada do regime e a pressão que ele exerce sobre quem deve fazer da crítica uma prática diária”, afirma a oposição cubana.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui