Como a China explora prisioneiros para fazer mercadorias para exportação

0

Segundo ex-prisioneiros, as condições de trabalho nas fábricas prisionais estão abaixo de qualquer nível razoável e dificilmente fornecem assistência médica aos trabalhadores

Em quase todas as prisões da China foram construídas fábricas e oficinas onde os presos fabricam produtos para o mercado local e estrangeiro. Além disso, as prisões competem entre si, resultando em horas terrivelmente longas para os presos submetidos a trabalho forçado e ainda mais severa opressão. Segundo ex-prisioneiros, as condições de trabalho nas fábricas prisionais estão abaixo de qualquer nível razoável e dificilmente fornecem assistência médica aos trabalhadores.

Sem esses custos adicionais e porque as empresas intermediárias chinesas fornecem as matérias-primas para a produção, as prisões obtêm enormes lucros, tendo apenas que gastar dinheiro em serviços públicos e alimentos para que os trabalhadores possam realizar o trabalho forçado.

No entanto, esses ganhos são feitos à custa da saúde dos prisioneiros e, às vezes, até de suas vidas. Embora denunciem abusos dos direitos humanos na China, muitos consumidores ocidentais podem estar usando produtos fabricados por prisioneiros torturados e explorados.

Ocultando vínculos com empresas estrangeiras por trás de intermediários chineses

Um membro da Igreja do Deus Todo-Poderoso (IDT), na casa dos 30 anos, disse ao Bitter Winter que a fábrica da prisão onde ela havia cumprido sua sentença por praticar sua fé recebe um grande número de pedidos devido aos baixos custos de produção.

Empresas de Hebei, Guangzhou, Jiangsu e outras províncias mantêm relações comerciais de longa data com a prisão. Segundo a mesma, entre os clientes da prisão também existem empresas estrangeiras, apesar de o governo tentar ocultar esse fato.

“As roupas para europeus e americanos têm um estilo diferente e geralmente são maiores, claramente não feitas para o mercado chinês”, disse a cliente. Ela acrescentou que as roupas que costumava fabricar na prisão na maioria das vezes não tinham etiquetas, mas às vezes tinham etiquetas com preços em euros e eram marcadas como “fabricadas na China”.

“Os supervisores de qualidade da fábrica ocasionalmente nos disseram que cada processo de fabricação tinha que ser verificado duas vezes devido aos requisitos rigorosos de clientes estrangeiros”, continuou a mulher.

“A produção para empresas estrangeiras costumava ser interrompida devido a problemas de qualidade. Toda vez que isso acontecia, a prisão tinha que relatar os problemas às empresas chinesas que haviam conseguido esses clientes estrangeiros. Esses intermediários, não a administração penitenciária, contataram estrangeiros diretamente”. A fábrica produzia não apenas roupas, mas também luminárias, caixas de embalagem e bolsas. Muitos desses produtos foram fabricados para exportação.

As cotas de produção aumentavam continuamente e os guardas supervisores, que garantiam o cumprimento, recebiam bônus. “Toda vez que recebemos cotas novas e esmagadoras, todos nós suspiramos profundamente”, disse o membro do IDT. “Na prisão, havia uma pequena canção que dizia: ‘Como os policiais querem obter bônus, os presos devem trabalhar horas extras.’”

Motivados pelo lucro, as prisões exploram os presos como escravos

Outro membro do IDT recentemente libertado, também com pouco mais de 30 anos, que cumpriu sua sentença no centro da China, disse ao Bitter Winter que sua fábrica prisional recebia novos pedidos todos os meses. Tudo devido aos baixos custos de produção.

A mulher lembrou que o armazém da fábrica estava cheio, que os materiais eram armazenados no salão de basquete da prisão e que às vezes ficava lotado até sua capacidade máxima.

Os presos recebiam altas cotas e muitas vezes tinham que trabalhar mais de 13 horas por dia. Quando havia muitos pedidos, às vezes eram permitidos apenas três horas de descanso antes de voltar ao trabalho.

Em uma ocasião, ele recebeu uma cota diária na qual teve que fazer 1.300 colares. Um dia, desmaiou de exaustão e bateu a cabeça em um recipiente de ferro. Após uma breve visita a clínica da prisão, para ter seu sangramento cortado, ele foi forçado a retomar seu trabalho.

“Não é incomum que prisioneiros desmaiem nas oficinas”, acrescentou a mulher. “Em dois casos extremos, um prisioneiro caiu no chão enquanto trabalhava e morreu imediatamente, e o outro desmaiou e morreu repentinamente enquanto comia em uma lanchonete. A administração da prisão emitiu uma declaração genérica alegando que eles haviam morrido de uma doença súbita, para impedir que os presos falassem sobre esses casos. Eles tratam os prisioneiros como formigas cujas vidas não importam.

A fim de melhorar a eficiência do trabalho para obter lucros mais altos, a prisão continuamente introduzia novos métodos para controlar e punir os presos que trabalhavam.

“Quem conversava ou olhava em volta enquanto trabalhava podia ser espancado, torturado, forçado a copiar as regras da prisão como punição ou repreendido na frente de outros prisioneiros”, disse o crente.

“Os pontos foram deduzidos para cada ‘contravenção’, significando que os prisioneiros eram menos propensos a ter suas sentenças reduzidas. Até o número de vezes e a duração do uso do banheiro era restringida”.

As refeições eram limitadas a cinco minutos, e os presos frequentemente queimavam a boca com comida quente. Desproporcional ao trabalho pesado, a comida era terrível e nada nutritiva: mingau, picles, pãezinhos cozidos no vapor e sopa de legumes.

Os que se queixavam eram brutalmente espancados e, às vezes, sofriam ferimentos duradouros. O crente afirmou que alguns internos tentavam o suicídio por se sentirem incapazes de continuar vivendo nessas condições insuportáveis.

Após seis anos de prisão, a mulher desenvolveu reumatismo, uma doença da coluna cervical e outras doenças que comumente afetam a maioria dos presos submetidos a trabalho forçado por longos períodos de tempo. Sua condição cardíaca pré-existente também se deteriorou e ela continua com dores de cabeça crônicas.

Vários ex-detentos de uma prisão que administra uma fábrica de roupas disseram ao Bitter Winter que, como as oficinas eram mal ventiladas, a poeira dos materiais flutuava por toda parte e os trabalhadores às inalavam nos pulmões. Fazia frio no inverno e calor no verão. Como conseqüência, muitos internos desenvolveram doenças pulmonares, enquanto outros sofreram fortes dores nas costas por serem forçados a trabalhar em posições difíceis por um longo tempo e sem nenhum tipo de descanso.

Fonte: Epoch Times

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui