Católico polonês pró-vida morre de desidratação e fome em um hospital inglês

0
Imagem referencial. Crédito: Unsplash / Olga Kononenko.

A luta legal e diplomática para manter vivo o pai católico devoto foi descrita como uma “batalha contra a Civilização da Morte”

Apesar dos esforços da mãe, das irmãs e de inúmeras pessoas do mundo para evitar o desfecho fatal, no dia 26 de janeiro o católico polonês pró-vida identificado como RS morreu no Reino Unido, após a retirada de alimentação e hidratação por ordem da Suprema Corte.

RS era natural da Polônia e morou na Grã-Bretanha por vários anos. Em novembro de 2020 sofreu um ataque cardíaco e consequente lesão cerebral grave que o deixou prostrado e precisando de um sistema de suporte de vida.

Christian Concern, uma organização sem fins lucrativos do Reino Unido que ofereceu apoio à família por meio de seu centro jurídico, informou em 26 de janeiro que RS faleceu após ser desconectado do suporte vital em 13 de janeiro por ordem da Suprema Corte e com a autorização da esposa e dos filhos. A sentença britânica foi endossada pelo Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, apesar da oposição da mãe e das irmãs de RS.

Roger Kiska, do Christian Concern, gastou mais de £ 70.000 na luta para preservar a vida de RS. Ele disse à LifeSiteNews que a organização está “destruída” pela morte prematura de RS.

“Estamos arrasados ​​com a morte de RS. Nossas orações estão com a sua família. Esperamos que, por causa dos esforços da família, nenhuma outra pessoa tenha que ver seus entes queridos morrer de forma tão desumana e degradante”, continuou ele

A causa a favor da vida de RS foi apoiada por líderes da Igreja Católica na Polônia e no Reino Unido. O governo polonês também solicitou o repatriamento de seu cidadão.

A luta legal e diplomática para manter vivo o pai católico devoto de meia-idade foi descrita por mais de um comentarista polonês como uma “batalha contra a Civilização da Morte”. Envolveu o choque da calorosa cultura católica polonesa do RS, que abomina a eutanásia como uma relíquia da ocupação nazista, com o granito frio da lei britânica contemporânea. 

Na noite de 25 de janeiro, depois que o Governo polonês conseguiu “conceder o status de diplomático a RS, em seus esforços por levá-lo para a Polônia”, os advogados da família escreveram com urgência aos advogados do Hospital Plymouth, onde RS estava internado, para insistir-lhes que restabelecessem a nutrição e hidratação do católico.

No entanto, “na manhã [de 26 de janeiro] o hospital se recusou a retomar o tratamento de suporte de vida e informou sobre a morte de RS durante o dia”, indicou Christian Concern. RS faleceu em meio aos esforços do governo da Polônia para “fazer cumprir uma sentença de seus tribunais para que o transferissem em avião a um hospital polonês” para receber os cuidados básicos de que precisava.

A mãe de RS expressou a tristeza pela morte de seu filho e condenou as autoridades do Reino Unido por terem praticado o que seria “eutanásia” de uma forma “degradante e desumana”.

“Estou arrasada porque as autoridades britânicas decidiram desidratar meu filho até a morte. O que as autoridades britânicas fizeram com meu filho foi a eutanásia pela porta dos fundos. Privá-lo de nutrição e hidratação é funcionalmente o mesmo que dar-lhe uma injeção para acabar com sua vida, a diferença é que todo o processo é um tratamento mais longo, degradante e desumano”, disse.

“Os esforços legais de apoio à família foram incansáveis e incluíram o esgotamento de todos os recursos disponíveis, incluindo dois pedidos perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos”, assinalou a instituição cristã.

Em declarações anteriores, a mãe e a irmã de RS apelaram a decisão da Suprema Corte, alegando que o polonês era católico e que era contra o aborto e a eutanásia e “não gostaria de morrer desta forma”. Elas testemunharam que o RS discordou de uma decisão do tribunal de acabar com a vida de Alfie Evans por meio da retirada de seu suporte vital. Também apresentaram à justiça britânica vídeos que, segundo um neurologista, mostravam perspectivas de melhora no estado de saúde.

A Igreja Católica pediu à justiça britânica que considerasse a opinião de outro especialista sobre a perspectiva de melhora de RS, depois que os médicos do hospital britânico afirmaram que o dano era “grave e irreversível”. No entanto, o pedido também foi rejeitado pela justiça.

Os bispos da Polônia e da Inglaterra também uniram forças para defender RS, exortando o governo do Reino Unido a aceitar a oferta do governo da Polônia de transferir o paciente para sua terra natal.

Dias antes da morte de RS, o presidente dos bispos poloneses, Dom Stanislaw Gadecki, destacou que a opinião pública polonesa está abalada e lamenta a decisão da Suprema Corte Britânica que “condenou RS à morte por inanição”. Além disso, pediu ao presidente da Conferência Episcopal da Inglaterra e País de Gales, Cardeal Vincent Nichols, para unir forças para evitá-lo.

Os bispos da Inglaterra escreveram uma carta ao Secretário de Saúde do Reino Unido expressando sua oposição à ordem da Suprema Corte e pedindo a transferência de RS para a Polônia.

Além disso, assinalaram que “fornecer comida e água a pacientes muito doentes, mesmo por meios assistidos, é um nível básico de atenção. Este é o cuidado que devemos nos esforçar para oferecer sempre que possível”.

Um mal denominado “Ordem de Transparência” torna ilegal a publicação de detalhes ou fotografias que ameacem o anonimato de RS, sua esposa, filhos, médicos, hospital e membros de sua família biológica. Mesmo assim, a mídia polonesa publicou fotos e vídeos do homem hospitalizado, bem como seu primeiro nome. Os muitos poloneses que acolheram o doente no coração também se referiam a ele como “nasz rodak ” – nosso compatriota. 

Informações de Aci Digital e Life Site News

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui