Cardeal Zen preparado para prisão sob a lei de segurança de Hong Kong

0
AFP/Anthony WALLACE/Divulgação.

“Se palavras corretas e adequadas forem consideradas contra a lei deles, eu suportarei todos os processos, julgamentos e prisões”, diz Zen

O incontestável cardeal Joseph Zen disse nesta semana que está preparado para sofrer detenções e julgamentos sob a draconiana nova Lei de Segurança Nacional de Hong Kong.

“Se palavras corretas e adequadas forem consideradas contra a lei deles, eu suportarei todos os processos, julgamentos e prisões”. Numerosos predecessores sofreram de forma semelhante”, disse o cardeal de 88 anos em um vídeo postado no Facebook.

“Talvez eles sejam realmente loucos. Quem sabe? Deixe que estejam então – disse o cardeal. “Não existe um ditado: ‘Aqueles a quem Deus deseja destruir, ele primeiro enlouquece’?”

No final de maio, o Congresso Popular Nacional da China (NPC) às pressas aprovou um projeto de lei que elimina a autonomia de Hong Kong e permite ao Partido Comunista punir qualquer pessoa na cidade nominalmente autônoma por crimes como “secessão” e “atos contra a segurança nacional”.

Na terça-feira passada, o presidente chinês Xi Jinping assinou um decreto promulgando a Lei de Segurança Nacional, desencadeando condenações globais e provocando preocupação generalizada entre os participantes do movimento pró-democracia de Hong Kong.

A alusão do cardeal Zen a uma possível prisão sob a nova lei não foi um exercício de retórica, atestam os observadores, mas uma simples declaração de um fato.

No final de junho, a International Christian Concern (ICC,) declarou que sob a nova lei “o clero vocal de Hong Kong que tem apoiado o movimento democrático de Hong Kong, como o Cardeal Joseph Zen e o bispo auxiliar Joseph Ha Chi-shing, poderia ser extraditado para a China continental para ser julgado, uma vez que Pequim os considera como ameaças ao regime”.

Os muitos líderes cristãos que se manifestaram contra o governo de Hong Kong poderiam enfrentar o mesmo destino, continuou a ICC, “já que Pequim disse que considera os protestos em massa que começaram em junho passado como atos terroristas e quaisquer apelos à independência de Hong Kong da China como atos de sedição”.

Estranhamente, o cardeal John Tong Hon, atual administrador apostólico da diocese de Hong Kong, rejeitou preocupações de que a nova lei represente um risco à liberdade religiosa.

“Pessoalmente acredito que a Lei de Segurança Nacional não terá efeito sobre a liberdade religiosa, porque o artigo 32 da Lei Básica garante que temos liberdade religiosa, e também podemos pregar e realizar abertamente cerimônias religiosas, e participar de atividades religiosas”, disse o cardeal na semana passada.

Fonte: Breitbart news

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui