Cardeal Müller: os políticos católicos devem combater o aborto e a eutanásia

0
Crédito: Bohumil Petrik – ACI Prensa.

Os políticos “só podem se chamar católicos se aceitarem esta obrigação de lutar pelos princípios fundamentais da ética social, que são os direitos humanos”

Os políticos católicos têm o dever de lutar contra o aborto e a eutanásia e de aplicar todo o ensinamento social católico em seu trabalho político. Foi o que disse o Cardeal Gerhard Müller, Prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, à “Agência Católica de Notícias” (CNA).

Os políticos católicos, disse o cardeal à CNA em 7 de outubro, “devem combater o aborto e a eutanásia. O Papa, as congregações e os bispos disseram que não podemos aceitar a eutanásia na sociedade civil porque ela é contrária à vida, assim como o aborto é contrário à vida porque significa a morte da criança inocente no útero”.

“Toda vida do ser humano individual tem um valor absoluto em si mesma”, continuou o Cardeal, acrescentando que os políticos “só podem se chamar católicos se aceitarem esta obrigação de lutar pelos princípios fundamentais da ética social, que são os direitos humanos”.

Estes direitos humanos, disse Müller, não poderiam ser redefinidos de acordo com as preferências de cada um.

“[Não se pode] dizer que uma mulher tem o direito de matar a criança no útero, porque esta criança é uma existência humana que tem seu próprio valor absoluto, e este é o princípio da moral e lógica fundamental do intelecto humano”, disse ele.

Se este princípio não for respeitado, a sociedade cairá no darwinismo social e promoverá a “sobrevivência do mais apto” em vez da dignidade humana inata, advertiu ele.

O Cardeal Müller enfatizou que os políticos católicos têm grande responsabilidade tanto nas democracias quanto nas ditaduras, onde têm o dever de lutar pela dignidade humana e pela liberdade.

“Os políticos católicos devem promover o direito natural, os princípios da ética fundamental, incluindo todo o ensinamento social da Igreja, todos os esforços para a paz universal”, disse ele.

“Eles não podem promover uma guerra econômica contra os outros”, acrescentou o Cardeal.

Enquanto a Igreja ensina que os direitos humanos vêm de Deus, Müller disse, mesmo aqueles que não acreditam em Deus poderiam entender, simplesmente através de seu intelecto, que a vida humana não deve ser usada e manipulada.

“Toda vida de todo ser humano é sagrada”, disse ele.

Fonte: de.catholicnewsagency.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui