Campos de trabalho e reeducação na China: aumenta o terror contra as minorias

0
Campos de trabalho forçado na China. Foto: Screenshot PBS

Ativistas de direitos humanos denunciam: regime de Pequim oprime os uigures

Por detrás da fachada brilhante da ascensão da China estão o terror, a repressão, a censura, o totalitarismo, a vigilância e os campos de trabalho forçado. Particularmente afetadas: as minorias étnicas.

Grupos religiosos de oposição e as minorias étnicas dos grupos religiosos sofrem cada vez mais sob o terror do regime comunista de Pequim. O Partido Comunista Chinês ainda mantém as rédeas firmes.

Particularmente afetadas pela censura, vigilância e repressão são as minorias étnicas como os Uigures, na província ocidental de Xinjiang.

Um dissidente divulgou documentos explosivos que retratam o tratamento brutal dos uigures por parte da China, conforme divulgou em vídeo o canal PBS Newshour:

Conforme a “n-tv” relatou, citando informações da “Human Rights Watch”, a China expandiu ainda mais a perseguição criminal das minorias muçulmanas na província de Xinjiang. Estão sendo impostas longas penas de prisão por delitos duvidosos, tais como “a busca de brigas”, disse a organização de direitos humanos. Entre 2017 e 2019, os números dispararam durante a repressão contra os uigures e outras minorias, principalmente muçulmanas, segundo o relatório. Quase 100.000 pessoas foram condenadas em 2017, por exemplo, em comparação com menos de 40.000 no ano anterior, de acordo com a Human Rights Watch. Mais de 250.000 pessoas foram formalmente condenadas e encarceradas desde 2016, diz o relatório.

No último mês do governo de Donald Trump, os Estados Unidos pressionaram fortemente a China por causa dos campos de trabalho forçado, segundo informação de outro vídeo do canal Newshour:

De acordo com vários grupos de direitos humanos, pelo menos um milhão de uigures e outros muçulmanos estão presos em inúmeros campos de detenção só na província de Xinjiang, alguns construídos para serem campos de reeducação (conforme o vídeo do canal PBS) , outros como campos de trabalho forçado (ver o outro vídeo do canal PBS). Nesses campos são forçados a abandonar a sua religião, cultura e língua. Há também relatos de maus-tratos. A China justifica as suas ações com o pretexto da luta contra o terrorismo.

Fonte: Freie Welt

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui