Bolsonaro exclui Folha de S.Paulo da cobertura de jantar com Trump

0
(Osaka - Japão, 28/06/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante Reunião bilateral com o senhor Donald J. Trump, Presidente dos Estados Unidos da América. Foto: Alan Santos / PR

Folha foi único jornal que ficou fora, justificativa da Secom é vaga

(Osaka – Japão, 28/06/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante Reunião bilateral com o senhor Donald J. Trump, Presidente dos Estados Unidos da América. Foto: Alan Santos / PR

O presidente Jair Bolsonaro excluiu profissionais da Folha de S.Paulo da cobertura do jantar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O evento foi realizado na noite deste sábado, 7 de março.

O encontro com Trump aconteceu resort do norte-americano em Mar-a-Lago, perto de Miami, na Flórida. O Palácio do Planalto, sede do Poder Executivo do Brasil, autorizou 15 jornalistas a cobrir o evento.

“É uma grande honra ter o presidente do Brasil conosco”, diz Trump

Repórteres da TV Globo, Record TV, Band, SBT, Bloomberg, Reuters, Jovem Pan, BBC Brasil, Metrópoles, O Globo, O Estado de S. Paulo e EBC foram autorizados a participar da cobertura. De acordo com a Folha de S.Paulo, este foi o único veículo brasileiro com correspondentes nos Estados Unidos a ser excluído do evento.

A Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) teria dito ao jornal que o critério para fazer a lista dos profissionais que irão a Mar-a-Lago é “fazer a cobertura diária” do Palácio do Planalto. A Folha de S.Paulo, no entanto, tem 2 ou mais repórteres que fazem esse trabalho todos os dias.

Jornal divulga nota

O jornal divulgou uma nota na qual afirmou que “a Presidência mais uma vez discrimina a Folha, o que já se tornou 1 método de perseguição”.

“O jornal continuará cobrindo esta administração de acordo com os padrões do jornalismo crítico e apartidário que o caracteriza e que praticou em relação a todos os governos.”

Bolsonaro se manifestou diversas vezes contra o jornal, inclusive excluindo-o de licitação do Planalto para renovação de assinaturas. O presidente também já sugeriu que empresas parassem de anunciar na Folha de S.Paulo.

Jair Bolsonaro já mandou repórter da Folha de S.Paulo “calar a boca“ na frente do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência e fez piada de conotação sexual com uma repórter desse veículo.

Nesse caso, Bolsonaro falou que a profissional queria “dar o furo a qualquer preço” contra ele. No jargão jornalístico, “furo” é antecipar os concorrentes numa notícia. Ou seja, informar antes dos demais.

As declarações do presidente foram repudiadas por diversas autoridades e entidades jornalísticas numa série de ocasiões. Existe no meio jornalístico o debate sobre a continuidade ou não da cobertura no Alvorada.

É na frente de sua residência oficial, onde recebe apoio de populares, que Bolsonaro profere a maior parte dos insultos à categoria. Inflamados pela ocasião, os apoiadores também costumam hostilizar a imprensa no local.

Fonte: Poder360

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui