Biden redefine significado da palavra “sexo” para impor ideologia de gênero em toda a legislação federal

0

Esse é “um esforço destrutivo para reinventar a realidade e prejudicará mulheres e meninas”

Em um de seus primeiros atos como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden assinou uma ordem executiva para interpretar a discriminação com base no sexo na lei federal de forma a incluir orientação sexual e identidade de gênero.

Esta medida pode afetar os esportes do ensino médio, a privacidade de banheiros para pessoas do mesmo sexo, organizações religiosas que recebem subsídios ou são contratadas pelo governo, a possibilidade de que os funcionários sejam retaliados por expressas crenças religiosas “discriminatórias”, entre outros.

“Esta ordem executiva é um exagero brutal”, disse John Bursch, consultor jurídico sênior do grupo jurídico Alliance Defending Freedom, à CNA em 21 de janeiro. “Essencialmente, tem o efeito de tomar as palavras ‘sexo’ e ‘discriminação sexual’, onde quer que essas palavras apareçam na lei federal, e convertê-las para incluir orientação sexual e identidade de gênero.”

Bursch adverte que a redefinição do sexo na ordem executiva resultará em “um esforço destrutivo para reinventar a realidade e prejudicará mulheres e meninas a longo prazo”.

“Redefinir ‘sexo’”, disse ele, “para significar ‘orientação sexual e identidade de gênero’ não é igualdade e não é progresso. A razão é que a biologia não é fanatismo. Quando a lei não respeita as diferenças biológicas entre homens e mulheres, ela cria o caos e prejudica mulheres e meninas. E acrescentou que “é lamentável que o governo agora escolha este como o primeiro ato que vai empreender para ‘unificar o país’.

A ordem executiva, intitulada “Prevenir e Combater a Discriminação em Motivos de Identidade de Gênero ou Orientação Sexual”, declara a política do governo Biden “para prevenir e combater a discriminação com base na identidade de gênero ou orientação sexual e para fazer cumprir integralmente o Título VII e outras leis que proíbem a discriminação com base na identidade de gênero ou orientação sexual.

A ordem trata do acesso das crianças a banheiros, vestiários e esportes escolares; acesso a cuidados de saúde e trabalhadores cujas vestimentas “não obedecem a estereótipos baseados no sexo”, entre outras questões.

Com informações: infocatolica

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui