A cada dia, mais influência do ‘dinheiro comunista’ da Venezuela é descoberta nas eleições dos EUA, afirma advogada Powell

0

Venezuela também exportou Smartmatic para outros países latino-americanos para alterar as eleições

Sidney Powell denunciou nesta quinta-feira (19) que o “dinheiro comunista” da Venezuela interferiu nas eleições dos Estados Unidos através da Smartmatic.

Durante uma entrevista coletiva para a equipe jurídica de Trump no prédio do Comitê Nacional Republicano, Powell observou que na investigação dos processos que levantaram uma suposta fraude eleitoral, eles descobriram a interferência de outros países como a Venezuela.

“O que realmente estamos enfrentando aqui e descobrindo mais a cada dia é a enorme influência do dinheiro comunista através da Venezuela, Cuba e provavelmente China, e a interferência em nossas eleições aqui nos Estados Unidos”, disse a advogada de Trump.

“Os sistemas de votação Dominion, o software da Smartmatic e o software que vai para outros sistemas de votação computadorizados aqui também, não apenas o do Dominion, foram criados na Venezuela sob a direção de Hugo Chávez para garantir que ele nunca perdesse uma eleição depois que um referendo constitucional foi publicado, uma vez que ele não queria que isso acontecesse”, acrescentou.

Poucos dias atrás, Powell postou uma declaração no Twitter em que um denunciante venezuelano – que afirma ter estado no exército venezuelano – alegou que o sistema Smartmatic foi criado para permitir que os líderes do regime manipulem a tabulação dos votos ” para ganhar e manter o seu poder”.

“A partir daquele momento Chávez nunca mais perdeu período eleitoral. De fato, ele conseguiu garantir vitórias para si, para seu partido, para os parlamentares e os prefeitos dos municípios”, diz o comunicado.

“A Smartmatic se associou ao governo venezuelano liderado por Hugo Chávez, que é abertamente hostil aos Estados Unidos e, claro, como todos sabemos, é comunista e realmente brutal com seu próprio povo. O sistema foi continuado por Maduro e garantiu sua eleição“, disse Powell a repórteres.

Segundo a ex-procuradora, a Venezuela também exportou Smartmatic para outros países latino-americanos para alterar as eleições.

“Não há dúvida de que ele tem sido usado para alterar eleições em outros países. Sabemos especificamente que a Venezuela exportou com esse propósito para a Argentina e outros países latino-americanos para garantir que governantes corruptos que estavam dispostos a pagar o preço mais alto por estarem no cargo pudessem fraudar suas eleições”, disse ele.

O software Smartmatic foi implementado nas eleições de 2019 na Argentina. A empresa ficou encarregada de fornecer o software necessário para a transmissão dos telegramas com os resultados de cada uma das assembleias de voto em todo o país e posteriormente processá-los para publicação no site de transmissão.

“O mundo está vendo isso. Recebi vários e-mails de pessoas em outros países que viram o mesmo padrão acontecendo lá. Temos testemunhos de que o mesmo se fez nesses países, já que foi exportado da Venezuela por Maduro e pelo senhor Chávez e por Cuba”, disse o advogado.

A reclamante disse que Chávez acabou exportando o software para a Bolívia, Nicarágua, Argentina, Equador e Chile.

Na mesma entrevista coletiva, o ex-prefeito de Nova Iorque e atual advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, disse que entre os donos da Smartmatic estão dois venezuelanos próximos ao ex-ditador Hugo Chávez e agora a Maduro.

“A empresa que conta o nosso voto, com controle sobre o nosso voto, é propriedade de dois venezuelanos que foram aliados de Chávez, são atuais aliados de Maduro com uma empresa cujo presidente é um associado próximo e parceiro de negócios de George Soros, o maior doador do Partido Democrata, o maior doador do Antifa e o maior doador para Black Lives Matter”, disse Giuliani.

Alguns dias atrás, em um programa da Fox, Giuliani apontou que um problema “muito pior” do que o possível hackeamento sofrido pelas urnas eletrônicas da empresa Dominion Voting Systems nos estados pendulares, é que a Dominion seria propriedade da Smartmatic.

Giuliani disse que embora a Dominion seja uma empresa canadense, “todo o software é da Smartmatic, então todos os votos vão para Barcelona, ​​Espanha. A Indra, empresa que presumivelmente seria a intermediária, é uma multinacional espanhola de tecnologia”.

O Epoch Times contatou as três empresas envolvidas no assunto, todas negaram as alegações do advogado de Trump.

O Dominion Voting Systems possui um terço do mercado de votação nos Estados Unidos e neste ano, seu software foi usado em todos os estados do pêndulo, incluindo Geórgia, Pensilvânia, Arizona, Michigan, Wisconsin, Carolina do Norte e Nevada.

Fonte: Epoch Times

Você gostou do conteúdo? Apoie o jornalismo independente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor registre seu comentário
Por favor, digite seu nome aqui